Blog


Blog do Empreendedor
O cotidiano de empreendedores como você
Twitter Facebook Orkut
Aumentar texto Diminuir texto

Você conhece o método da cumbuca?

5 de julho de 2013

Uma cumbuca não é só cumbuca

Hoje escrevo de um hotel fazenda. Depois que virei pai, passei a me especializar neste assunto. Acho que já virei um especialista em copinha do bebê, piscina aquecida e coberta, rampas e elevadores. Mas também o que chama a atenção nestes locais são os eventos corporativos.

Neste momento há uma turma enorme de uma multinacional. Todos com uma camisa colorida com o logotipo da empresa estampada em vários locais. Há claramente pessoas desconfortáveis com a camiseta merchandising. Não sei pelas cores, design, tamanho maior ou porque não combina mesmo com o sapato social ou salto alto que usam. Ficarão o dia inteiro sentados nas salas aprendendo algo que alguém da empresa acha que é importante. Mas hoje a noite todos poderão se divertir na balada.

O monitor das crianças que está na mesa ao meu lago agora comenta sobre a última turma corporativa que veio ao hotel e beberam até cair, com muita farra na beira da piscina até as quatro horas da manhã. Ainda bem que o meu quarto está longe da piscina…

Mas bem longe desta realidade está a situação dos empreendedores que precisam treinar sua equipe. Será que dá para levar todo mundo para esse hotel fazenda que tem diária que daria para comprar quase mil refrigerantes e dar camiseta verde amarela para todo mundo? Nesta semana, meus colegas de Blog do Empreendedor do Estadão PME escreveram posts sobre várias situações de aprendizado. Pedro Chiamulera, da ClearSale, falou, na segunda-feira, sobre crescimento pessoal e profissional. Este tema poderia abrir um evento corporativo.

Na terça, Renato Steinberg, do Fashion.me, fez uma relação entre os esportes e as práticas de negócio. Novamente, mais um tema relevante para as organizações nos dias de hoje, tanto que o técnico Bernardinho é um dos palestrantes mais requisitados pelas organizações.

Na quarta-feira, Juliana Motter, da Maria Brigadeiro, destacou a importância da gestão simples. Mais uma vez, outro assunto muito discutido nas grandes organizações. Você até pode falar de Balanced Scorecard, mas desde que até a moça do cafezinho entenda que ela terá objetivos, indicadores e metas.

Por fim, na quinta-feira, Adriane Silveira, refletiu sobre a importância de você acreditar nas suas ideias, mas isto não deve se resumir a você. Seria um grande tema para fechar o treinamento corporativo: Empowerment em equipe! Tenho certeza que todos estes empreendedores teriam muito a ensinar aos executivos das grandes empresas pois fazem algo que todas as grandes organizações buscam atualmente nos seus colaborares: fazem mais com menos, inovam, empreendem e precisam dar resultados.

Até poderia terminar o meu post aqui… Mas como os empreendedores podem treinar suas equipes? Algumas soluções funcionam bem para empresas que tem recursos limitados de tempo e dinheiro. Destaco duas: Método da Cumbuca e 70-20-10.

O Método da Cumbuca é sugerido pelo Vicente Falconi em seu livro O Verdadeiro Poder. Serve para o livro dele e qualquer outro. O empreendedor escolhe um livro que acredita que contenha aprendizados que a sua equipe deva saber. Todos começam a ler o livro e se reúnem uma vez por semana para discutir uma parte ou capítulo. Os nomes das pessoas são escritos em pedaços de papel e colocados em uma cumbuca. No início do encontro, o nome de uma pessoa é tirada da cumbuca. E esta pessoa faz a abertura do encontro, facilita a discussão e faz o fechamento com as lições aprendidas e suas aplicações na empresa. Caso a pessoa não tenha lido a parte ou capítulo, o encontro não ocorre. Ocorrendo ou não, o nome da pessoa volta para a cumbuca. Simples assim.

O método 70-20-10 exige que o colaborador faça o que é exigido da sua função em 70% do seu tempo disponível. Além disso, deve utilizar 20% do seu tempo refletindo ou discutindo com outras pessoas como poderia fazer o que é exigido da sua função de uma forma melhor. E os últimos 10% do seu tempo deveria ser dedicado a pensar, refletir e discutir como a empresa poderia ser melhor.

É claro que o método pode utilizar outras proporções, mas o mais importante é permitir que todos os colaboradores busquem alternativas melhores para melhorar o que fazem e o que a empresa faz. Agindo assim, quem sabe um dia, o empreendedor pode mandar sua equipe para este hotel fazenda… para descansarem com suas famílias e amigos.