Blog


Blog do Empreendedor
O cotidiano de empreendedores como você
Twitter Facebook Orkut
Aumentar texto Diminuir texto

Um império da diversão familiar começou em um pântano com crocodilos

29 de agosto de 2014

Marcelo Nakagawa é professor de empreendedorismo do Insper

Hoje eu embarco para uma das melhores escolas de empreendedorismo do mundo e levo junto minha família, em especial minhas duas filhas pequenas.

A escola começou a ser construída na década de 1960 e Kelvin Bailey duvidava que alguma coisa poderia ser levantada naquela área. “Eu não queria aquele terreno nem de graça” – recordando-se da primeira vez que visitou o espaço de 121 quilômetros quadrados. “Aquilo era só água, pântano, mato e crocodilos e ficava no meio do nada” – dando mais detalhes. Mas enquanto Bailey reclamava, os olhos do seu chefe brilhavam como nunca antes na vida.

Quando digo isso, lembro do brilho dos olhos de um antigo chefe que eu tive e que ia, religiosamente, todos os anos para este local. Na época, eu não entendia como alguém tão culto poderia gostar de um lugar assim. Mas como lembramos mais das besteiras que fazemos, dizemos e pensamos, cá estou hoje fazendo ‘mea culpa’.

Na entrada desta escola há uma rua principal que leva até a estátua do seu fundador de mãos dadas com sua criação. Isto para lembrar incrédulos como eu e Kelvin Bailey de que “tudo aquilo tinha sido criado por um homem e um rato”.

Mas poucos reconhecem a mensagem implícita daquela mensagem já que o que está escrito mesmo é “Parceiros – Nós acreditamos em nossa ideia: Um parque familiar em que pais e filhos se divertem – juntos”. O juntos está propositalmente separado para reforçar o momento mágico de pais e filhos se divertirem de forma unida.

Você pode ter todas as opiniões sobre Walt Disney e a máquina de vendas que se transformou o negócio que fundou, menos a de que ele não tenha sido um bom pai de família. Mesmo sendo um workaholic, fazia questão de sempre estar presente em casa. Como tiveram muita dificuldade em ter filhos, ele e sua esposa, Lillian, a chegada da primeira filha, Diane, foi muito festejada. A festa familiar só aumentou com a chegada de Sharon, sua filha adotiva. O cuidado era tanto que ela só descobriu que seu pai era “o” Walt Disney quanto tinha seis anos. Neste momento, Disney contou emocionado, ela pediu um autógrafo ao pai. “Um homem jamais deve negligenciar sua família em favor do seu negócio.” – costumava dizer.

E foi em um dos passeios a um parque que Disney teve a ideia da Disneyland. Até então só as crianças se divertiam nos parques, que eram sujos, velhos e, por vezes, mal cuidados e por isto, perigosos. Disney começou a sonhar com algo grandioso em que famílias pudessem se divertir. E começou a planejar o seu parque com o mesmo nível de detalhe e exigência que analisou os dois milhões de desenhos que faziam parte do seu filme Branca de Neve e os Sete Anões que ganhou um Oscar e sete oscar-anões em 1939.

Mesmo sendo o que era, Kelvin Bailey não acreditava que Disney conseguiria na Florida repetir o sucesso que vinha tendo na Califórnia, por isso a ideia da Disney World, algo ainda maior e mais monumental no meio do não passava de um delírio do seu chefe sonhador.

A trajetória de Disney e a proporção que atingiu a Disney World no mundo já tornaria o parque um local em que muito de empreendedorismo pode ser aprendido. Mas as melhores lições estão naquilo que os milhões de visitantes não veem, mas sentem e se concentram em três grandes pilares que todo empreendedor pode aplicar em seus negócios.

Primeiro: Os clientes são chamados de convidados e assim que devem ser tratados. Quando você convida alguém para a sua casa, irá trata-lo da melhor forma possível.

Segundo: Todos os funcionários são contratados como atores. Os membros do elenco, como são chamados, executam um papel em um palco, como qualquer ator. O pipoqueiro não é pipoqueiro. É um ator que faz da pipoca um pequeno show para a plateia em volta.

Terceiro: O show que os atores dão diariamente para milhares de convidados segue um rígido conjunto de processos que passou a ser conhecido como guestology, ou algo como convidadologia. É a guestology que mantém mágica a experiência Disney World desde a sua fundação em 1971.

“Faça o que você faz tão bem que eles irão querer ver isto novamente e trarão seus amigos” – sempre foi uma das principais mensagens que Disney passava a sua equipe.

Já levei vários amigos e agora levo as minhas filhas para brincarmos – juntos!

Mas elas também terão a mesma experiência de Bailey pois conhecerão a água, o pântano, o mato e os crocodilos da região. Pois quem só conhece o parque não sabe que aquilo também é uma escola de empreendedorismo.