Blog


Blog do Empreendedor
O cotidiano de empreendedores como você
Twitter Facebook Orkut
Aumentar texto Diminuir texto

Uma ONG para atender os cachorros idosos

1 de agosto de 2013

Adriane também se despede hoje

No mundo empreendedor há necessidade de inovação sempre, até porque seu negócio é novo por um curto espaço de tempo. Nada se cria, tudo se copia…

A minha ideia surgiu de uma necessidade própria e, depois de ver como funcionava isso fora do Brasil, montei a minha empresa. Os serviços prestados vão se aprimorando com o passar do tempo. Você vê o que funciona bem, o que deve ser cortado e o que podemos incorporar em nosso dia-a-dia. Até eu precisar do serviço de babá para cães eu não sabia como era o mercado.

Quando eu procurei, em novembro de 2010, foi muito difícil encontrar. Já comentei isso em outro post, e foi aí que percebi uma demanda no mercado que estava carente de um serviço. Atualmente já existem várias pessoas que prestam esse serviço. Ainda não vi nenhuma empresa constituída com CNPJ e que paga impostos fazendo isso, daí a concorrência é complicada.

Só quem tem uma empresa constituída sabe os custos que enfrentamos em nosso país a cada emissão de nota fiscal. Devemos procurar sempre um diferencial. Na Nannydog o diferencial está no perfil dos colaboradores: todas são medicas veterinárias, por isso podemos oferecer um serviço mais amplo. Com quase dois anos de empresa já é hora de inovarmos. Estamos desenvolvendo uma ONG, voltada para atendimento especial dos nossos melhores amigos idosos (velhos amigos).

Os nossos velhinhos precisam muito de cuidados especiais.  Será um serviço com atendimento veterinário 24 horas, ofereceremos ainda muito carinho, amor e paciência para que eles se sintam amados e respeitados.

Já estamos com alguns parceiros nessa nova etapa. A Dogtown Photography é um deles. Estamos produzindo um material lindo com nossos clientes de quatro patas para que possamos arrecadar fundos para ajudar a realizar nosso projeto. Se você tem um amiguinho velhinho escreva pra gente (adriane@nannydog.com.br) e conte sua história.

Queremos saber quais as necessidades de seu melhor amigo!

Adote um amiguinho de quatro patas. Eu apoio essa ideia!

25 de julho de 2013

Adriane fala sobre adoção

Com a chegada desse frio não é difícil imaginar como os moradores de rua estão lidando com isso. Se pra eles já é difícil, pense em como os cachorrinhos sofrem com as baixas temperaturas, sem abrigo e sem nenhuma comida quentinha para alimentá-los.

Essa semana está circulando no Facebook  uma foto de um cachorro São Bernardo, ainda filhote, que deve ter por volta de 8 meses, não castrado e que estava amarrado a uma árvore na Avenida Rebouças, nos Jardins. O que leva alguém a ter uma atitude dessas?

Sempre vemos muitos vira-latas, mas os cães de raça também sofrem abandono. Talvez, nesse caso, porque crescem demais, talvez porque sai caro manter um animal que chega a pesar por volta de 70 quilos. Não sei.

Eu não encontro respostas. Existem várias campanhas relacionadas a esse assunto. Não compre, adote. Mas o faça com convicção, com responsabilidade. Não adote pensando que pode devolvê-lo. Os bichinhos não são brinquedos.  Eles sofrem, sentem medo, frio e também ficam muito alegres quando encontram alguém para “chamar de seu “. Esse é o meu dono. O meu tutor.

Mudar esse cenário só depende de nós. Muitos de nós mantemos esse mercado de compra e venda de animais.
Dê uma oportunidade a um cachorrinho abandonado. Permita que ele tenha uma vida melhor. Faça um cachorrinho feliz: adote!

Em busca do sonho perdido

18 de julho de 2013

É preciso arregaçar as mangas e lutar pelos objetivos


Qual é o seu sonho? Uma grande marca de supermercados tem uma propaganda que eu adoro. Eu nem lembro dos comerciais, apenas da frase: o que faz você feliz? Se pararmos para analisar o sentido real e dermos as respostas, saberemos se estamos no caminho certo.

Com quase dois anos de empresa eu posso afirmar que estou muito feliz. Estou fazendo o que eu adoro. Realizei meu sonho. É claro que ainda tenho muito trabalho pela frente. Mas dar o primeiro passo foi fundamental. Tire sua ideia do papel. Concretize. É nos erros você vai acertando.

Muitos empresários de sucesso contam historias bonitas hoje. Depois de se consolidar e faturar milhões. Mas nem tudo são flores! Existe muita dificuldade. Muita burocracia. E muito, mas muito trabalho.

Aquele problemão lá no inicio da sua empresa, que tirava seu sono, pode virar uma história bonita anos depois…

Acredite, corra atrás do seu projeto. Não viva mais ou menos. Não temos que aceitar nada mais ou menos. Sempre o melhor. O nosso melhor. A vida é muito curta. Mesmo!

Mudar a sua história só depende de você. De mais ninguém.

Pronto para começar?

Comprar ou adotar?

11 de julho de 2013

Adriane é favorável à castração dos animais

Com uma população imensa de cães e gatos e com um mercado muito aquecido de venda de filhotes de raça, não são todos os cães que têm a sorte de encontrar um lar com amor e carinho. Enquanto muitos deles lotam ONG´s e abrigos, outros são exibidos em vitrines bonitas de lojas sofisticadas em grandes shoppings.

Precisamos focar na compra ou adoção consciente. Por que existem cães de raça nos abrigos e nas ONG´s? O que deu errado? Existem muitas respostas. Eu ouço muitas histórias. Tem gente que compra e depois de poucos dias de convívio se dá conta de que não era bem aquilo que esperava de um animal de estimação. Sim, eles fazem xixi por tudo. Cabe a nós termos paciência para ensiná-los o lugar certo. Não demora muito, pois eles são muito inteligentes.

Enquanto existem várias campanhas para adoção, os filhotes continuam sendo produzidos por aí, sejam os de raça, com criadores responsáveis, ou os sem raça definida, o famoso vira lata que a cada ninhada nascem em média seis cachorrinhos. Eu sou favorável à castração dos nossos animais. Alem de evitar uma série de doenças, evita também a procriação sem controle. Nossos cães merecem ter uma vida digna, que não seja na rua comendo restos e bebendo água de esgoto.

 

Você deve ser o primeiro a acreditar no seu negócio, mas se for o único…

4 de julho de 2013

Adriane fala sobre negócios

Outro dia eu li sobre como se conhecer ajuda a gente a negociar melhor. Este é um ponto que devemos ter bem desenvolvido.  Negociar no dicionário é igual a fazer negócio, celebrar, concluir, ajustar. Usar as palavras certas, no momento certo. Isso é um dom. Valorizar seu produto ou serviço é decisivo para o sucesso.

Já li também que não adianta ser bom, você precisa ir alem disso, parecer bom aos olhos dos seus clientes. Tem que chamar a atenção, ter um diferencial. Por que escolher a minha empresa e não a outra? E o que dizer dos clientes que cotam com os nossos concorrentes e usam isso para negociar?

Por que ele quer fechar um contrato comigo com o preço do concorrente? O que isso significa? Como devo lidar com isso? Isso é poder de barganha. O cliente acha que se não barganhar não fez um bom negócio. Fica implícito que nós sempre temos margens para desconto. Às vezes não temos, mas damos mesmo assim, porque significa um investimento.

O que não pode ocorrer é todos os seus clientes terem esse perfil, aí você quebra sua empresa!

Ser empreendedor, mais do que ter respostas, eu acredito que é um estado de espírito. Você deve se questionar o tempo todo.  Eu sempre me coloco no lugar do cliente e imagino o que ele gostaria de ouvir e quanto ele gostaria de pagar.

Eu me pergunto: eu compraria esse serviço que estou oferecendo? Por quê? E assim vou aprimorando meu portfólio. Ter autoconfiança também é ponto fundamental para o sucesso. Você deve ser o primeiro a acreditar no seu negocio. Mas não pode ser o único, pois se for, tem algo errado!

Reveja seus conceitos!

A revolução começa por nós, nas pequenas coisas do cotidiano

27 de junho de 2013

Adriane também fala do momento do País

O Brasil é um País riquíssimo, sem nenhuma catástrofe natural, tirando as chuvas que afetam algumas regiões por descaso dos governos que cobram IPTU e não dão infraestrutura. Temos um clima perfeito. Um povo trabalhador e harmonioso. Todo estrangeiro que nos visita quer ficar. Muitos deles acabam voltando e se estabelecendo por aqui.

Ficamos muitos anos em silêncio e sonhando com um País melhor.  Agora acordamos.  Estamos cansados de viver mais ou menos. Tanta arrecadação de impostos e nada de retorno. É até clichê falar isso, mas infelizmente é a nossa realidade.

Faltam recursos, dizem os governantes. O que falta é vergonha na cara. É um absurdo os nossos políticos serem tratados como “doutor”. Doutor de que? Eles prestam um serviço para nós, mas raramente lembram-se disso, alguns poucos talvez. O programa de “bolsas” começou com eles.  É tanto auxilio que nem temos como listar todos.

E como checar se estão fazendo o que prometeram? São inúmeras promessas que nem mesmo eles dão conta. Nós temos que parar com o jeitinho brasileiro. Se quisermos um País sério, com bons administradores, nós temos que começar por nós. Eu li muita coisa nos últimos dias.

Entre elas: temos que parar de furar fila, andar pelo acostamento, parar em fila dupla, estacionar em lugar proibido, sentar no lugar dos idosos nos coletivos… tem tanta coisa. No fim de semana, eu vi uma reportagem sobre venda ilegal de combustível nas estradas. Totalmente insegura, podendo causar uma explosão pelo jeito que é manejada, sem nenhum item de segurança e as pessoas lá, praticando o comércio ilegal de compra e venda.

Se tem vendedor é porque tem comprador. É o mercado clandestino prosperando.A revolta é geral. Os índices de assaltos, arrastões e estupros estão em alta. Isso é assustador. Não existe mais um horário perigoso. Eu acredito que temos que ser fiscais do nosso governo. Cobrar sim por uma melhor administração. Nós merecemos saúde, educação, transporte e moradia de qualidade. Por que não temos? Diante de tantos manifestos, o governo já percebeu que nós existimos. Nós temos agora que fazer com que eles nos ouçam! Devemos refletir muito nas próximas eleições!

 

Mercado pet precisa investir em qualidade

13 de junho de 2013

Especialista faz análise do mercado

Assunto em pauta em boa parte das mídias, o mundo pet não pára de crescer. Não é à toa que o Brasil está em segundo lugar no ranking desse mercado, perdendo apenas para os Estados Unidos. Temos uma população imensa de animais. Muitos deles abandonados ainda, o que é uma pena.

Nós temos uma infinidade de produtos, alguns com baixa ou nenhuma qualidade, mas temos outros muito especiais.
Além de itens mais variados, como coleiras, guias, caminhas, roupinhas, bijuterias, entramos no mundo da decoração com quadros, na cozinha com diversos utensílios e por aí segue…

Em alimentação também. Basta olhar o site de alguma grande loja pet para encontrarmos pelo menos umas 300 marcas de rações diferentes e uma lista que não acaba mais de petiscos. Existem produtos para todos os bolsos, o que é ótimo, fica acessível.

No mercado de serviços acabou aquele estigma de que serviço era banho e tosa. A Nannydog mesmo é uma exemplo disso.Trabalhamos com serviços especiais para cães, com atendimento em casa. Fazemos o que for necessário para o nosso amigo de quatro patas ficar bem.

Ainda temos toda linha de medicamentos. Existem também os centros de diagnósticos e os centros de terapia intensiva. O que precisamos é investir em qualidade, seja em serviços ou em produtos. Nosso mercado é bem exigente e merece ser muito bem atendido!

Quantos e-mails você recebe por dia? E quantos você responde?

6 de junho de 2013

Como usar a tecnologia a favor da empresa

A maldição do e-mail está tão difundida que as pessoas, quando querem se punir, falam: vou ficar dois dias sem ver e-mail e acessar a internet!

Todos os dias somos bombardeados com foguetes atômicos chamados de e-mail. Eles partem de todos os lados:  amigos, fornecedores, colaboradores, compradores, tem os falsos, os vírus, as propagandas que nunca solicitamos e aqueles tão aguardados por nós.

Quantas vezes por dia você acessa seu e-mail? Bom, se você for daqueles que não larga o smartphone, ele mesmo avisa você quando chega algo. Isso sem falar das mensagens de texto e dos aplicativos para conversar em tempo real. Tem também a opção de mandar uma mensagem de voz se não podemos falar naquele momento, gravamos o que precisa ser dito e enviamos. Simples assim. Quanta informação!

E as redes sociais? Vi recentemente que existem comunidades parabenizando o usuário que responde tudo rapidamente. Esse sim é um bom usuário, dizem eles….

Um sujeito conectado!

É claro que eu acho todas as ferramentas muito importantes. Elas traduzem a nossa evolução e involução ao mesmo tempo, afinal, não podemos deixar de falar que somos reféns e escravos de toda essa tecnologia. Podemos usar a nosso favor, mas acho bem difícil sermos moderados. A cobrança está lá, na caixa de entrada!

Quantos e-mails você recebe por dia? Quantos você consegue ler? E responder então? Aí fica a culpa!

Existem também os mais variados tipos de e-mail (conteúdo). Tem aqueles que se parecem com uma conversa telefônica. Quase monossilábicos. São tantas idas e vindas que até cansa. Às vezes, um simples telefonema resolveria tudo, de forma bem rápida e aí sim usaríamos um e-mail apenas para formalizar o combinado.

Temos uma demanda, mandamos um e-mail e ufa! Tudo resolvido. Aí começam os questionamentos, perguntas e respostas infindáveis!

Eu confesso que muitas vezes pego o telefone e resolvo na hora! E você?

Não é óbvio: a tecnologia ajuda você a crescer

30 de maio de 2013

Use a tecnologia a favor deles

Quando começamos um negócio, dependendo do perfil de cada empreendedor, o foco de cada um será diferente. No meu negócio eu já queria funcionar no primeiro dia. Digo, logo após colocar o site no ar para divulgação eu já me julgava apta a trabalhar. É quase isso. Apta porque eu tenho o conhecimento do serviço que estou oferecendo. Mas sempre temos ajustes a fazer.

Com o passar dos meses, sentimos que precisamos melhorar nosso negócio usando a tecnologia. Criar a identidade visual e melhorar o site foi o segundo passo importante. Credito o mérito a minha agência Publichess Tecnologia, que não só captou a ideia do meu negocio como nos ajuda até hoje a melhorar nossa comunicação.

Recentemente colocamos no ar a integração do Facebook da Nannydog com nosso site. O curioso é que esse pessoal fica em Santa Catarina. Mais uma prova de que tudo se tornou virtual. Gestão administrativa foi outra área que estava carente e tivemos que suprir.

Com a equipe em crescimento, sentimos a necessidade de utilizar um aplicativo que funcionasse no celular de cada um dos colaboradores para termos acesso a agenda on-line e executar as tarefas necessárias em cada cliente.

Atualmente realizamos entre 70 a 90 visitas por semana. Administrar essa agenda, mutante, não é uma missão fácil. Foi aí que eu fui apresentada a uma tecnologia fantástica, desenvolvida por um conterrâneo (empresa gaúcha), chamada uMov.me. Através dessa ferramenta temos total controle da agenda e da execução das tarefas, em tempo real, acessando um portal de qualquer lugar, otimizando nossas atividades.

Cada cliente é especial. Para cada um deles temos um menu a cumprir. Para isso a tecnologia dá uma forcinha a nossa memória para não esquecermos nenhum pequeno detalhe, como deixar a luz acesa de alguns cômodos na hora de ir embora.

Perfeito!

A importância de cuidar da saúde do seu cão

16 de maio de 2013

Atenção aos sinais de saúde do seu animal de estimação

Essa semana quero falar da importância dos exames pré-cirurgicos nos animais.

O excesso de confiança e até um pouco de descaso de uma médica veterinária oftalmológica, que atende em uma clínica muito famosa, culminou na morte de um cachorrinho muito querido. O que era pra ser apenas uma cirurgia para corrigir uma úlcera de córnea acabou com a vida dele.

Ele era um Pug, com 6 aninhos, tratado de forma muito especial pela família que ainda estava comemorando a notícia da chegada de um bebê. Felicidade essa profundamente abalada pela tristeza e desolação que tomou conta da família.

Ele fez uma consulta na segunda-feira para verificar o que estava acontecendo com seus olhinhos. No dia seguinte, pela manhã, fez o retorno da consulta quando ficou acertada a cirurgia para o período da tarde.

Qualquer médico veterinário sabe da importância dos ditos exames pré-cirurgicos. Eles avaliam o estado geral do animal e confirmam a possibilidade ou não da intervenção cirúrgica. Não foi feito nenhum pedido de exame. Nada. A proprietária do cão, cliente da clinica há cinco anos, não duvidou da autoconfiança da veterinária. Paciente operado. Três dias depois entrou em choque e morreu no sábado, logo depois do almoço. Esse foi seu presente de dia das mães: a perda drástica de seu cachorrinho.

Assim que ele apresentou não estar bem, encaminhamos para uma UTI de animais, capacitada para receber e tratar pacientes com risco de morte. Foi tentado de tudo, sem sucesso.

Só saberemos a causa da morte dentro de alguns dias. Mas nós temos uma certeza. Ele não estava bem. As aparências enganam. É muito provável que ele estivesse com alguma doença e seu organismo estava tentado equilibrar o dia-a-dia que foi descompensado pela cirurgia.

Um simples exame e o desfecho seria completamente diferente.