Blog


Blog do Empreendedor
O cotidiano de empreendedores como você
Twitter Facebook Orkut
Aumentar texto Diminuir texto

Por que jovens brilhantes estão largando bons empregos para empreender e o que as empresas deveriam fazer para (não) retê-los

13 de abril de 2018

Talvez alarme não seja o termo ideal, mas chama a atenção a preocupação de boa parte das principais empresas do Brasil com o pedido de demissão de jovens que largam ótimos empregos, bons salários e grandes planos de carreira para empreender. Em geral são os mais promissores, que se formaram nas melhores faculdades, são fluentes em dois ou mais idiomas, além de terem níveis elevados de inteligência emocional. Daí a preocupação e, consequentemente, o alarme dos líderes da organização. Não só em função do investimento feito pela empresa naquele profissional, mas, principalmente, nos vácuos de liderança e sucessão que começam a se formar nas organizações que se acostumaram a se posicionar entre as mais desejadas.

Muitos jovens mimados pedem para sair por imaturidade mesmo e as organizações deveriam agradecê-los pelo favor e repensar o processo de contratação.

Mas o questionamento se concentra nos grandes talentos que estão deixando as corporações. Uma das principais empresas de alimentos ilustra este contexto. A marca conhecida, respeitada e desejada atrai mais de 20 mil candidatos interessados em seu programa de trainee todos os anos. Assim, não foi fácil para uma jovem conseguir uma das 20 vagas oferecidas em 2016. Mas um ano depois, ela e outros 15 trainees haviam pedido demissão para se juntar a uma startup. O motivo da desistência do salário de quase R$ 10 mil: hipocrisia da empresa. Comprou o sonho (que ainda está no site da instituição) de que faria a diferença em uma carreira cheia de desafios em uma organização aberta à inovação alinhando seu propósito de vida aos objetivos da empresa, mas encontrou um local rígido de trabalho onde o chefe sempre contava as melhores piadas. Ganhando menos, trabalhando até mais, ela agora está feliz liderando uma área de novos negócios de uma startup.

A história dela e de vários outros jovens é resumida por Tallis Gomes, um dos principais empreendedores do Brasil e recém-eleito como um dos jovens mais inovadores do mundo pelo MIT:

Eu cansei de tirar pessoas que trabalhavam em empresas renomadas para virem trabalhar comigo ganhando a metade do que eles ganhavam. E sempre me perguntam como eu consigo contratar tanta gente boa pagando tão barato assim. E explico que eles não estão vendo valor que estão recebendo em dinheiro. Eles estão vendo valor em conhecimento profissional, em experiência. E aí eles saiam de uma grande empresa, na qual sua principal função era fazer Power Point e Excel, e se mudavam para uma empresa que tem como propósito de vida entregar um bem maior para a sociedade.”

Neste contexto, das organizações que não só querem contratar talentos empreendedores e inovadores, mas mantê-los assim, algumas reflexões podem ser úteis:

Não use filtro ou Photoshop. Se vender sua empresa como perfeita só atrairá os tolos que acreditam que isso existe. Nos últimos anos, algumas consultorias de recrutamento começaram vender bojo de sutiã na forma de empregos incríveis em empresas incríveis para pessoas incríveis. Mas de incrível mesmo só o valor que cobravam. As organizações precisam mostrar que não são perfeitas, que o trabalho nem sempre é inspirador e ainda assim é possível entregar benefícios para todos os envolvidos. Se a jovem que menciono no início do texto tivesse consultado o site da LoveMondays antes de se candidatar, teria entendido que aquela empresa não era Cinco Estrelas, mas medianamente 3,2. E não há problemas em atuar em uma organização 3,2 desde que não tenha sido vendia como 5.

Contrate ex-empreendedores. A chance de uma startup quebrar é de cerca de 92% nos Estados Unidos e algo semelhante ou pior no Brasil. Assim, se cresce o número de pessoas que querem empreender, o mesmo ocorre com ex-empreendedores. Trazer alguém que já empreendeu e quebrou a cara para dentro de uma organização pode ser o equilíbrio entre comportamento empreendedor, engajamento e disciplina executiva demandado por muitas empresas. Trazer empreendedores que fracassaram para contar suas trajetórias em palestras para seus colaboradores também pode ser didático e motivador (para manter seus talentos engajados, é claro).

Adote práticas, ferramentas e abordagens típicas das startups. Para não perder seus talentos para startups, muitas grandes empresas estão se tornando (hipocritamente) uma. Ambientes descontraídos podem contribuir para práticas de trabalho mais informais e colaborativas, mas não serão os pufes coloridos que transformam empresas tradicionais em startups. Práticas de gestão típicas de startups como OKR (Objetive and Key Results) e ferramentas ágeis de desenvolvimento de projetos como Scrum conseguem integrar alinhamento estratégico ao engajamento dos colaboradores. Ferramentas como Lean StartupDesign Thinking incentivam a interação dos funcionários com o mundo real, a percepção do impacto do seu trabalho na vida das pessoas e a importância da experimentação no processo de aprendizado. E aceleradoras corporativas de projetos podem disseminar (e valorizar) o comportamento empreendedor dos empregados.

Por fim, transforme a organização em uma plataforma de inovação aberta. Estabeleça estratégias para novos negócios sinérgicos com startups, mesmo que criadas pelos melhores funcionários da organização. Se ele(a) for realmente excelente, é melhor mantê-lo(a) por perto…

Marcelo Nakagawa é Professor de Inovação e Empreendedorismo do Insper

 

Mensagem para uma sociedade que tem pressa, mas não sabe onde ir

29 de dezembro de 2017

Quem eu sou neste mundo? É um grande quebra-cabeça. Eu sabia quem eu era quando acordei nesta manhã, mas eu acho que mudei tantas vezes desde então. Quão confuso são todas estas mudanças para mim. Eu nunca tenho certeza o que serei de um minuto para outro.

Eu poderia contar as minhas aventuras, mas não há utilidade em voltar ao passado porque eu era uma pessoa diferente. Por isso, eu estou sempre atrasado pensando no futuro. Mas quando mais rápido eu vou, mais para trás eu fico.

Receio que eu não consiga me entender mais, porque eu não sou mais eu, se é que me entende. Sei que não sou o mesmo que era antes. Eu era muito mais. Mas perdi um pouco deste muito mais.

Perguntam-me para onde vou com tanta pressa. Pergunto de volta sobre qual caminho deveria seguir. Depende de onde quer chegar é a resposta. Digo que não sei. Então tanto faz o caminho que devo seguir é o conselho que recebo.

Sei no que está pensando. Mas não é isso, de maneira alguma. Ao contrário. Se era assim, podia ser; e se fosse assim, seria; mas como não é, não é. Isto é lógico.

Desta forma, neste mundo sem sentido, o que nos impede de inventarmos um? A imaginação é a única arma na guerra contra esta realidade.

Mas antes é preciso seguir uma regra: Pessoas que não pensam, não deveriam se pronunciar! As coisas que as pessoas mais querem saber, em geral, não tem nada a ver com suas vidas. Se começar a acreditar em tudo que aparecer, seus músculos de crença da sua mente se cansarão e você estará tão cansado que não terá forças para acreditar nas coisas verdadeiras mais simples. Se cada um cuidasse da sua própria vida, o mundo giraria mais rápido.

Por isso, comece a ler a instruções que a vida lhe dá e, imediatamente, será direcionado para a direção certa. A primeira é: um dos segredos mais profundos da vida é que tudo que vale mesmo a pena fazer é o que fazemos para os outros.

Em seguida, seja o que você parece ser. Ou se quiser algo mais simples: Nunca imagine a si mesmo não sendo algo que deveria parecer ser para os outros que era o que você era ou deveria ter sido, que não deveria ser diferente do que você vinha aparentando para eles de qualquer forma. Desta forma, você deve falar sempre o que quer dizer. Fale a verdade, pense antes de falar e anote-a depois.

Sabendo o caminho, entenderá a pressa. Pois aqui, como vê, você tem de correr o mais que pode para continuar no mesmo lugar. Se quiser ir a alguma outra parte, tem de correr no mínimo duas vezes mais rápido!

Acha que fiquei maluco? Acho que sim. Mas deixe me dizer algo: As melhores pessoas geralmente são. Mas neste caso, eu não sou estranho, esquisito, distante e nem mesmo louco. Apenas a minha realidade é diferente da sua. Mas se limitar suas ações na vida para algo que ninguém possa ver algum fracasso, você não terá vivido muito.

Ah… mais uma coisa: Eu geralmente me dou bons conselhos, mas raramente os sigo. Mas se você acreditar em mim, eu acreditarei em você! Combinado?

Tudo é divertido se puder rir disso. E sempre é hora do chá!

Todas as frases apresentadas acima foram escritas por Charles Lutwidge Dodgson entre 1862 e 1871 e aparecem em dois dos seus livros publicados ainda no Século XIX, na Inglaterra. Aqui elas foram reorganizadas, atualizadas e interconectadas em um novo texto. Por diversas razões, inclusive a de perder a sua própria cabeça, Dodgson utilizou o pseudônimo Lewis Carroll para publicar “Aventuras de Alice no País das Maravilhas” e “Através do espelho e o que Alice encontrou por lá” (Editora Zahar, 2013).

Além de escritor, professor, matemático, fotógrafo, desenhista e exercer atividades religiosas, Lewis Carroll foi um inovador criando aparatos para escrever no escuro durante a noite, técnicas de criptografia e até jogos que depois passaram a ser conhecidos como palavras-cruzadas e o Scrabble. Mas sua maior inovação foi Alice no País das Maravilhas e sua continuação Através do Espelho. Além do texto em si, estes livros são repletos de surpresas escondidas, várias delas matemáticas, que atualmente as startups chamam de easter eggs. As edições originais só não trouxeram mais inovações visuais como a página impressa invertida (para ser lida no espelho) porque eram inviáveis técnica ou economicamente.

Curiosamente, o primeiro livro de Alice também seguiu a trajetória do que hoje é vivenciada pelas startups. Carroll criou uma estória que contou para os filhos de um amigo. Este foi seu primeiro produto mínimo viável (MVP). Diante da aceitação, foi incentivado a colocá-la no papel. Fez um rascunho (um novo MVP), incluindo alguns desenhos e enviou para outro amigo, editor de livros, que contou a estória para seus filhos. Diante do novo sucesso e retornos que teve das várias crianças que ouviram a estória, refez a estória (e os desenhos) diversas vezes até chegar ao texto final.

Sabia que o livro precisa ser ilustrado diante de tantos conceitos imaginários e fantásticos e foi atrás de John Tenniel, o melhor desenhista da Inglaterra naquele momento para criar uma experiência de leitura incrível. Quando chegou ao mercado em 1865, Aventuras de Alice no País das Maravilhas foi um sucesso arrebatador, vendendo mais de um milhão de cópias rapidamente em todo o mundo.

Mais de 150 anos depois, não são apenas as inovações de Lewis Carroll que continuam atuais, mas as mensagens dos seus livros se mantêm imprescindíveis em uma sociedade que tem pressa, mas não sabe para onde ir.

Marcelo Nakagawa é Professor de Inovação e Empreendedorismo do Insper

O Jedi e o Empreendedor

18 de dezembro de 2017

Longa é a jornada do empreendedor. Difícil ela é, desistir você não deve.

Sou fascinado pela saga Star Wars, e desde criança tenho absorvido aprendizados e valores de vida nesses filmes, sendo assunto recorrente em casa e com as amizades, mesmo depois de tantos anos, e até já foi assunto meu de uma trilogia do Blog do Empreendedor, um par de anos atrás:

1.     Star Wars e o Surgimento do Empreendedor

2.     Star Wars e a Formação de Equipe

3.     Star Wars para Empreendedores – Manual de Uso

Como fã nerd, assisti a primeira sessão d’Os Últimos Jedi – muitas emoções, filme eletrizante -  e saí do cinema pensando em como esta fantasia estelar tem a capacidade de nos inspirar continuamente ao longo dos anos, no “uso da força” interior, com os aprendizados de Mestre Yoda (faça ou não faça, tentativa não há), e na busca de seguir seus sonhos e cumprir seu destino.

Duas lições d’Os Últimos Jedi:

- Junte um time de gente capaz. É recorrente nos filmes de Star Wars. Quando Rey aparece pela primeira vez no filme O Despertar da Força, ela estava sozinha num planeta perdido. Ao longo do filme ela vai se aliando a pessoas que formam um time leal e de características complementares, como BB8 e Finn. Assim como Luke fez no filme que lançou a série, formando o time clássico com a Princesa Leia, Han Solo, Chewbacca, R2D2 e C3PO.

- Encontre um mentor que possa te ajudar a chegar no próximo nível. A importância dos mentores em Star Wars é evidente, e no Os Últimos Jedi, quem finalmente assume a mentoria de Rey é o próprio Luke. Mesmo que os mentores que encontramos no dia a dia não sejam Jedi ou não tenham superpoderes, mesmo assim eles têm – no mínimo – 2 características: experiência (de vida e/ou de negócios) e vontade de passar o conhecimento adiante. Um mentor pode ajudar a entender os momentos difíceis e provocar a força interior.

Que a força esteja com você, empreendedor Jedi.

Ivan Primo Bornes – empreendedor e fundador da rede de rotisserias Pastifício Primo (www.pastificioprimo.com.brivan.primo@pastificioprimo.com.br

O empreendedor global

13 de novembro de 2017

De hoje a domingo, 35 mil eventos em 165 países comemoram a Semana Global do Empreendedorismo, a maior celebração mundial dos inovadores e criadores de emprego. A abertura estará a cargo do empreendedor serial sir Richard Branson.

Mais do que a grande mobilização em torno do tema, esta Semana do Empreendedor chama a atenção pela importância que assumiram aqueles que iniciam negócios, mesmo em países em conflito ou em crise.

O empreendedorismo é vibrante mesmo em regiões onde pode não ser esperado. Na China, ele vem promovendo uma verdadeira revolução na economia. Na Venezuela, em meio à turbulência política e econômica, o empreendedorismo está evoluindo por necessidade. Mesmo em países devastados pela guerra, como a Síria, existem bolsões de startups.

Isso prova que empreender ultrapassa diferenças políticas e geográficas: empreendedorismo de diversos países tem muito em comum, desde suas motivações a seus desafios. Um exemplo disso é o desemprego – principalmente o de jovens –, que vem sendo um motor pra iniciar negócios em quase todas as partes do mundo.

Por outro lado, em quase todos os países existe o desafio de espalhar geograficamente o empreendedorismo, que costuma ser um fenômeno urbano. A preocupação em diversas regiões é estimular o início de novos negócios em áreas e setores menos empresariais.

E, por fim, há a faca de dois gumes da tecnologia: ao mesmo tempo em que ela cria novas oportunidades de negócios e as espalha geograficamente, também está fazendo que estes novos negócios funcionem com cada vez menos trabalhadores. Ou seja, a tecnologia limita o impacto social das novas empresas.

De toda forma, a Semana Global do Empreendedor confirma o que se vem afirmando aqui nesta coluna semana após semana: os empreendedores são mais importantes do que nunca. E não importa em que idioma, nível político, regime econômico ou mesmo inclinação religiosa.

Empreender é a grande linguagem universal.

Ivan Primo Bornes – fundador da rede de rotisserias Pastifício Primo (www.pastificioprimo.com.br) ivan.primo@pastificioprimo.com.br

 

A empresa que todos os empreendedores deveriam conhecer não faz nada mais além do óbvio

10 de novembro de 2017

Uma boa empresa deveria vender muito. Considerando as vendas proporcionais por metro quadrado, esta tem vendido o dobro da segunda colocada. Uma boa empresa deveria ter clientes fiéis. 76% dos seus clientes lembram que fizeram a compra mais recente lá e indicariam a empresa para seus amigos e conhecidos, mantendo-a entre as favoritas do seu ultracompetitivo mercado há muitos anos. Uma boa empresa deveria fazer o bem para o seus clientes. Esta empresa vende majoritariamente alimentos naturais e orgânicos, premiums e gourmets e ainda consegue fazê-los mais baratos do que os similares da concorrência. Por isso, esta empresa tem fila na porta.

Na abertura da sua mais nova loja, no mês passado, as portas foram abertas às oito da manhã, mas as filas começaram a se formar duas horas antes. Uma boa empresa deveria ser um ótimo local de trabalho. Ela foi considerada a 16ª melhor empresa para trabalhar em todos os Estados Unidos no ano passado, pagando os maiores níveis salariais do seu setor e oferecendo os melhores benefícios. E há diversos relatos de colaboradores atuais e antigos sobre como trabalhar nesta organização mudou suas vidas. E depois de tudo isso, lá na última linha da demonstração do resultado, uma boa empresa precisaria ser lucrativa. E esta empresa é uma das mais rentáveis do setor varejista mundial. A empresa opera lojas pequenas, com poucas opções e com cerca de 80% dos itens sendo marca própria. Isto aumenta a eficiência, escala de compra, custos logísticos, tornando a empresa muito lucrativa e sem endividamento.

As empresas deveriam ser assim, mas não são. Por isso, deveriam conhecer um pouco mais sobre esta empresa, a Trader Joe’s. Mas as empresas também deveriam falar menos e fazer mais. Neste contexto, com quase 500 lojas, mais de 38 mil colaboradores e com faturamento estimado de 13 bilhões de dólares, pouco se conhece da TJ como é mais chamada pelos seus clientes e colaboradores. Seu fundador, Joe Coulombe, atualmente com 87 anos, vendeu a empresa há quase 40 anos. O grupo alemão que adquiriu a Trader Joe’s, manteve não só Joe a frente do seu negócio até se aposentar em 1988 como nunca mais interferiu na forma com que o criativo fundador gerenciava o negócio ou criava uniformes espalhafatosos com temas havaianos para sua equipe. Ele, por sua vez, passou a adotar o perfil discreto, quase invisível que era a principal característica do grupo alemão. A empresa, seus produtos, serviços e experiência de consumo é que devem se destacar! E desde então, seus executivos não aparecem na mídia, não palestram, não falam da empresa. Por ser de capital fechado, a Trader Joe’s não divulga seus números. A empresa também não faz nenhum tipo de propaganda, com exceção ao Fearless Flyer, seu tradicional panfleto de ofertas. A discrição chega à sede da matriz, localizada na cidade de Monrovia, Califórnia, que não tem nenhuma placa ou sinalização com o logo ou nome da TJ.

E mesmo com esta discrição absoluta, a Trader Joe’s consegue entregar uma experiência de consumo que só pode ser descrita com um termo: Uau! Mas o segredo do sucesso da TJ não é nenhum segredo e segue cinco lógicas absolutamente óbvias:

• Venda para pessoas educadas e inteligentes: A empresa foi fundada em 1958 com o nome de Pronto Market e era, basicamente, uma loja de conveniência. Em 1967, Joe Coulombe explicou em uma das suas raras entrevista que leu uma notícia em que era mencionado que 60% das pessoas estavam indo para a faculdade naquele momento. Ele pensou que pessoas mais bem educadas, naturalmente seriam mais exigentes e demandariam um serviço de varejo com produtos mais sofisticados, mas nem por isso pagariam mais caro (afinal, eram inteligentes). Daí veio a ideia de reformular todas as lojas que tinha e inspirado nos “mares do sul” e diversas ilhas famosas, lançou a primeira loja da Trader Joe’s, como algo que remetesse a um entreposto comercial sofisticado do Joe no Havaí. A obviedade é que é fácil vender e manipular clientes idiotas, mas os mais bem educados tendem sempre a exigir o melhor da empresa.

• Monte times pequenos e engajados: A lógica inicial é a mesma até hoje. Os colaboradores são chamados de tripulação. Cada loja tem um capitão. Os gerentes são chamados de First Mate, ou algo como imediatos. A seguir vêm os Merchants ou mercadores. Por fim, há o Crew ou membros da tripulação. A metáfora óbvia é que todos estão no mesmo barco, com poucos níveis hierárquicos e com todos sabendo suas funções, mas também atentos na execução de outras atividades para manter ou aumentar a velocidade do navio funciona!

• Mantenha sua tripulação sempre muito feliz: Encontrar um funcionário feliz ou muito feliz nas lojas da Trader Joe’s e sempre disposto a atendê-lo(a) excepcionalmente bem é uma constante. Para se chegar a este patamar, a TJ oferece os melhores salários, benefícios e condições de trabalho do mercado e total liberdade com responsabilidade. Está cansado, pode descansar. Com fome, pegue algo para comer. Precisa sair mais cedo ou chegar mais tarde. Tudo bem. Não se dá bem um chefe, bom… há vários outros para reportar. Em troca, a empresa quer ver o membro da tripulação entregar uma experiência de consumo UAU! Deve ser amigável, atencioso e divertido. Com todos!

• Ofereça poucas, mas sempre as melhores opções de produtos: A TJ tem uma variedade entre 4 a 5 mil opções enquanto seus grandes concorrentes chegam a oferecer 60 ou 70 mil. Mas cada produto ofertado é cuidadosamente concebido, produzido e embalado. Por se concentrar em uma camada exigente de consumidores, a Trader Joe’s acaba lançando diversos novos produtos que se tornam tendência de mercado depois como cervejas artesanais, iogurtes gregos ou alimentos integrais gourmets. Além disso, cerca de 80% dos itens são comercializados via marca própria. Com isso, a TJ consegue oferecer produtos muito diferenciados, mas com preços baixos.

• Nenhum cliente deve estar insatisfeito. Além do tratamento sempre cordial, da qualidade e criatividade dos seus produtos, a política de reembolso de clientes insatisfeitos da TJ é assustadoramente eficaz. Comprou um produto e não gostou? Mesmo já tendo consumido parte dele ou mesmo não tendo nota fiscal, a empresa reembolsa o valor. Sem questionamentos. Mas a empresa não faz isto pelo medo do impacto negativo de um cliente insatisfeito, mas por acreditar que precisa, de fato, vender algo de grande valor fortalecendo os laços de confiança.
Óbvio assim… há quase 60 anos.

Marcelo Nakagawa é Professor de Inovação e Empreendedorismo do Insper

Quero ser microfranqueado, EI, MEI ou Eireli? Não sei!!

7 de novembro de 2017

A dúvida já começa pela quantidade de nomes e siglas. Em seguida, vem o questionamento sobre as variáveis legais e tributárias, quem se responsabiliza pelo negócio e se vai envolver o patrimônio pessoal com o da empresa. Daí, aquela máxima que nossas tias diziam: “esta pessoinha quando montar um negócio próprio, o céu será o limite!” já era! Agora tem teto máximo para você faturar por sigla.

Na dúvida dessas questões anteriores, dá um Google que você vai encontrar mil explicações e espero que entenda. Mas, não é aí que mora o problema para escolher se você vai virar franqueado ou empreender individualmente!

Destrinche estes fatores na sua vida:

Expectativa em ter um negócio próprio; conhecimento sobre determinada área, setor ou assunto relevante para o mercado, neste momento; disponibilidade para se dedicar por dia, semana, mês e ano ao empreendimento; perfil para assumir o risco de um negócio próprio e o que isso significa; necessidade de compartilhar, presencialmente, ideias e assuntos X capacidade de trabalhar só, sem se sentir isolado ou perdido; habilidade para prospecção e vendas, assim como para entrega mais controle dos números – em uma dessas características você será mais forte, não se engane que você é linha de frente e bastidores com a mesma pegada, porque não dá para ser. Ou vende ou controla.

Feita esta autoanálise, falando a verdade para você mesmo, há de aparecer de uma a três opções de respostas para continuar a pensar em empreender, ou não. Não há nada definido ainda.
Vamos para análise de mercado e financeira: quanto você tem disponível para investir; como se mantém até que o negócio comece a dar dinheiro e depois a dar lucro; quais os concorrentes dessa proposta de negócio; qual o investimento para ter algo similar e melhor que eles; que perfil de clientes procuram por eles; o que eles fazem para atrair clientes; quanto custa este marketing, propaganda, mídia social, boca a boca e/ou panfletagem? Quanto você tem para investir, mesmo? E qual era o investimento imaginado para abrir algo parecido? Refaça as contas, por favor.

Digamos que deu tudo certo, na sua mente, até aqui!  – Vai montar em casa e trabalhar home office?

Autoanálise Capítulo 2 – consigo trabalhar em casa? tenho disciplina, cachorro ou crianças, sogra ou cônjuge, filhos adolescentes montando uma banda ou moro numa rua barulhenta demais? “Me sinto feliz e com qualidade de vida produzindo em casa” ou “este povo só fala isso para disfarçar que está desempregado e não tem pra onde ir?!” Pergunte-se tudo e ouça a verdade, porque é melhor entender antes de qualquer decisão que doa mais depois, do que assumir que todos somos empreendedores e nascemos para empresariar!

Quanto à decisão de ser microfranquia ou individual, são muitas outras perguntas e respostas que, hoje, você não teria paciência de me ler e pensar. Vamos por capítulos ou com pílulas de reflexão, para a decisão acertada!

Ana Vecchi é professora e pedagoga pela PUC-São Paulo, com especializações em administração de marketing pela Fundação Getúlio Vargas (SP), planejamento estratégico de marketing pela ESPM e MBA em varejo e franquias FIA/PROVAR. É professora universitária, instrutora e palestrante em associações e universidades. Co-autora do livro A Nova Era do Franchising.

Mais que clientes, receitas, cabelos… empreendedores estão perdendo sua saúde

7 de novembro de 2017

Não só no Brasil, mas em todo o mundo, criou-se o mito do empreendedor super-herói. Estes aparecem sempre sorridentes, poderosos, bem sucedidos, confiantes, sábios, visionários, ainda que, em alguns casos, a sua empresa ou vida pessoal esteja um caos. “Se não der certo, eu pivoto…” – diz com pleno domínio do startupês, linguagem dos empreendedores mais atualizados. Mas nem sempre é possível pivotar a queda de cabelo, a pressão alta ou as poucas horas de sono, principalmente quando as estatísticas apontam que parcela majoritária das empresas nascentes quebra nos primeiros cinco anos.

Mas como os empreendedores são tratados como um super-herói, quase ninguém fala da sua saúde. Contudo, ele também é vulnerável. Por isso, o artigo escrito por Larry Alton para a revista norte-americana Inc. é tão importante. Nele, Alton apresenta as aflições pessoais mais comuns entre os empreendedores, até entre os mais bem sucedidos, e que abalam seriamente a sua saúde. São elas:

• Dores nas costas: Dores lombares, nas costas, pescoço não prevalecem apenas em empreendedores. Mas a intensidade de preocupações e a quantidade de horas em uma postura errada diante do computador ou celular só intensificam as estatísticas.

• Problemas com a visão: Dez, quinze ou mais horas trabalhando. Boa parte olhando para uma tela de computador ou do celular. Em algum momento, a Síndrome de Visão de Computador (CVS) aparece na timeline do empreendedor.

• Insônia: Quando se diz que o empreendedor trabalha 24 X 7, isto não é uma mera metáfora. Muitos chegam próximo disso e quando vão para a cama, dormem mal. Se não bastasse a quantidade de trabalho, o sono ainda é afetado pela pilha crescente de preocupações e deteriorado pela quantidade de café ingerida diariamente.

• Hipertensão: Que o empreendedor precisa ter coração forte, todos sabem. Mas mesmo sendo forte, é preciso escutá-lo periodicamente. Pressão alta de vez em quando, faz parte da rotina empreendedora, mas sempre pode ser sinal de alguma doença importante.

• Enxaqueca: Quem tem sabe como isto implode sua capacidade de trabalho. Ter que ficar parado com tantas urgências para resolver é uma das piores torturas para qualquer empreendedor. E se não for a enxaqueca, pode ser a gastrite…

• Obesidade: Por mais que o espelho diga todas as manhãs que está acima do peso, muitos empreendedores continuam tendo uma vida sedentária, alimentando-se mal e dormindo pouco.

• Ansiedade: A rotina do empreendedor é naturalmente intensa e diversas novas decisões precisam ser tomadas todos os dias. Para Alton, isto pode favorecer crises de ansiedade. Nosso problema é que o Brasil é recordista mundial em pessoas com transtornos de ansiedade, segundo a OMS. Quase 19 milhões de brasileiros são diagnosticados clinicamente como ansiosos.

• Disfunção sexual: E como se não pudesse piorar…

• Depressão: Apesar de exigir diagnóstico clínico, o número de pessoas que sofrem com a depressão tem disparado no Brasil. A pesquisa mais recente da Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta que há, pelo menos, 11,5 milhões de casos registrados no país.

• Vícios: Em alguns casos, Alton explica que se tenta combater a enorme carga de pressão do empreendedor com algum tipo de consumo crítico de alguma substância, desde o café, cigarro ou álcool aos entorpecentes proibidos.

Mesmo que as aflições pessoais dos empreendedores ainda não recebam tanta atenção, elas estão presentes na sua vida pessoal. Por isso, é preciso lembrar algo óbvio: todas têm tratamentos!

Para o empreendedor ser um super-herói (e é de fato dado às dificuldades que enfrenta) precisa ser forte. Mas antes disso, deve estar saudável.

Marcelo Nakagawa é Professor de Inovação e Empreendedorismo do Insper

 

Para o seu próprio bem, as empresas deveriam valorizar os mais velhos

16 de dezembro de 2016

“Eu não tenho medo de morrer…” – diz minha mais que colega, minha amiga de trabalho. “Tenho medo sobre como vou morrer…”. Dona Áurea, como a chamamos, é vitalidade, bom humor e resiliência em todos os sentidos. Ela não gosta de falar da idade, mas acho que viu o Brasil ser campeão em todas as Copas. Já não precisa da remuneração do trabalho há muito tempo, mas cumpre sua jornada diária porque gosta muito do que faz. Mas isto não a impede de apreciar um bom restaurante, jogar cartas com os amigos, postar novidades no seu Facebook, ir para a praia de tempos em tempos e ser viciada em tênis. Não conheço alguém que goste mais de tênis do que a Dona Áurea. Até hoje não sei se é por causa do esporte ou dos tenistas. Mas seja o que for, ela está certíssima. Dona Áurea sempre está certa. Errados estão os outros que se acham inválidos por causa da idade.

Mas a Dona Áurea é uma exceção no Brasil. Enquanto em outros países como no Japão, Coréia do Sul ou mesmo nos Estados Unidos é absolutamente normal idosos trabalharem, no Brasil a pirâmide etária organizacional está se achatando cada vez mais. Se não trabalhar em um órgão público, notará o predomínio da faixa de 20 a 30 anos e depois uma drástica redução nas faixas posteriores até ter dificuldade em citar pessoas com 50 a 60 anos. Mas isto ocorre menos pela vontade dos profissionais mais experientes e mais pela métrica financeira da margem crescente de lucros. Daí a intensa juniorização no quadro de colaboradores das empresas. Isto é ótimo para a juventude “que tem resposta para tudo” que entra no mercado de trabalho, mas algo cada vez mais preocupante para os “entas” (40, 50, 60) que lutam para manter seus crachás e sobrenomes corporativos.

Além disso, muitos idosos, talvez até já aposentados, precisam complementar sua renda. Neste ano, uma empresa de Curitiba anunciou a vaga de secretária com remuneração de R$ 1.200,00, mas dizia que tinha interesse em candidatos com idade mínima de 60 anos. A empresa entendia que candidatos com este perfil tinham mais paciência, eram mais comprometidos, além de ter experiência. Recebeu 1.700 currículos de cinco estados brasileiros. O IBGE estima que cerca de, pelo menos, 220 mil idosos estejam nesta situação. E o que mais assusta é que esta demanda vem crescendo 60% nos últimos quatro anos.

Este cenário assustador para todos nós que, invariavelmente, envelhecemos, tem mostrado alguns alentos (que estão longe se ser comemoráveis), mas que servem de exemplos para a importância dos profissionais mais experientes em trazer mais do que conhecimento, rede de relacionamento ou vontade real de trabalhar. Estes profissionais trazem mais serenidade, sabedoria e tem mais compromisso com a empresa, com as pessoas, principalmente clientes. E o principal, estes idosos tornam a empresa mais humana.

Muitas empresas já criaram programas de contração de profissionais mais experientes. Agora, inspirados no filme “Um Senhor Estagiário”, em que Robert De Niro representa um senhor de 70 anos que arranja uma vaga em uma startup e a revoluciona a partir da (re)descoberta de aspectos verdadeiramente humanos como a compaixão, a ética, o compromisso, a organização, o senso de equipe, a curiosidade em aprender e principalmente o amor fraternal pelas pessoas, várias novas empresas também estão interessadas em trazer um estagiário sênior para suas equipes.

Um dos grandes responsáveis pela valorização dos profissionais mais experientes é o empreendedor Mórris Litvak Jr. Ele fundou a startup MaturiJobs, a primeira plataforma brasileira que só conecta pessoas com mais de 50 anos com empresas que buscam este perfil, mas que também incentiva um número maior de organizações e em mais setores a também valorizarem não só a experiência, mas a sabedoria que só vem com a idade.

Para o nosso próprio bem, incentive e divulgue a valorização daquilo que é o futuro de todos nós. E viva como não ficasse velho nunca, pelo menos esse é o conselho da Dona Áurea. Já que você não pode escolher como vai morrer, pelo menos escolha como vai viver.

E viva a vida, Dona Áurea!

Marcelo Nakagawa é Head de Empreendedorismo da FIAP

Sorte ou azar? O imponderável nos negócios

24 de outubro de 2016

Uma estrada interditada fez com que um crítico renomado conhecesse o restaurante de Massimo Bottura, eleito neste ano o melhor chef do mundo

Eu me considero um cara bastante prático e objetivo, principalmente no que diz respeito ao mundo dos negócios. Por isso, demorei a admitir que existe um fator que pode ser decisivo no sucesso (ou insucesso) de um empreendimento: o que chamo de componente imponderável.

Ao longo dos últimos anos, várias situações me levaram a reconhecer que esta variável deve sempre ser levada em conta na hora de empreender, e com um certo “fair play”. Afinal, ganhar e perder fazem parte do jogo.  Sorte ou azar, diriam alguns.Já vi empresas que tinham tudo pra dar certo: uma ótima ideia, capital à vontade, plano de negócios impecável com missão e visão, e lideres talentosos em suas áreas de expertise… Mas, mesmo assim, não deram certo.

Na contramão, me deparei com negócios em que tudo apontaria para o fracasso e, no entanto, acabaram bombando – contrariando, às vezes, regras básicas dos negócios.É um fator angustiante, admito. Porque o imponderável pode se manifestar de várias formas: pode ser uma ideia genial que chega cedo demais – e encontra um mercado imaturo para entende-la – se chegasse um pouco depois, talvez fosse outra história. Ou pode ser a escolha do ponto equivocado, ou ainda, a cidade equivocada, para implementar o negócio. Ou uma campanha publicitária que é mal interpretada. Ou uma mega crise econômica, como a que estamos passando agora no Brasil. Pequenos detalhes.

Do lado oposto, pode-se dar a sorte de acidentalmente cair no gosto de uma celebridade, e isso fazer toda a diferença no marketing. Ou estar em um endereço que cai nas graças de uma tribo de clientes que passam a ser seus embaixadores espontâneos.

O mundo empresarial – e gastronômico – está cheio de histórias deste tipo, em que o acaso foi fator decisivo. Como a Osteria Francescana, do chef Massimo Bottura, eleito o melhor do mundo neste ano. O próprio Bottura costuma contar essa história: depois de anos de dificuldades e críticas negativas no início do seu negócio, o chef estava prestes a fechar o restaurante na cidadezinha de Modena, quando uma avaria na estrada fez com que um renomado crítico de gastronomia parasse para jantar em seu endereço, totalmente por acaso. E o resto é história.

As vezes a boa sorte brilha. É estar no lugar certo, na hora certa. Como diz aquela célebre frase: quando a sorte aparecer, quero que ela me encontre trabalhando.

Ivan Primo Bornes – o fundador do Pastificio Primo – escreve toda semana no Blog do Empreendedor. Quer fazer uma pergunta ou comentário? Receber uma dica? Escreva para ivan.primo@pastificioprimo.com.br

É preciso que as faculdades parem de formar desempregados

14 de outubro de 2016

“Professor, estou buscando empreendedores. Conhece algum aluno ou ex-aluno que está empreendendo?” Ele desviou sua atenção do computador, encarou-me como se fosse um ET e com um olhar oblíquo e desinteressado perguntou quem eu era e se poderia ser mais claro. Disse que trabalhava com venture capital e que estava em busca de startups para investir. Ele voltou-se para o monitor e balbuciou algo que entendi que ele não poderia ajudar. Agradeci a atenção e saí da sua sala com a dúvida se ele tinha entendido alguma coisa do que tinha falado ou se tinha ficado bravo por tê-lo abordado sem um agendamento prévio. Mas a cena se repetiu inúmeras vezes naquele ano de 1999 em outras faculdades e universidades e a quase totalidade dos professores não tinha nenhuma compreensão ou referência de empreendedorismo.

Dezessete anos depois e esta universidade que tinha visitado inicialmente, a UNICAMP, é a principal referência acadêmica nacional de empreendedorismo. É a que mais gera patentes no país, tem uma das principais incubadoras e parques tecnológicos do Brasil, a mais atuante agência de inovação e seus dirigentes não se cansam de falar das “filhas da UNICAMP”, um conjunto monitorado de 286 empresas que foram criadas por egressos da instituição e que juntas faturaram algo próximo a R$ 3 bilhões e geraram 20 mil empregos altamente qualificados em 2015.

Mas enquanto a UNICAMP não só incluiu o tema empreendedorismo, principalmente a partir de 2002, quando o Professor Carlos Henrique Brito Cruz assumiu a reitoria, mas também criou as bases de um ecossistema condizente com a sua estrutura e papel social, muitas faculdades e universidades do país ainda não perceberam o papel cada vez mais relevante em formar alunos empreendedores e inovadores.

Se os temas empreendedorismo e inovação já se tornaram rotina nas faculdades de negócios, engenharias e computação, em outras são solenemente ignoradas e, em certos casos são até execradas como símbolo maldito do capitalismo.
Em cursos como Medicina, Odontologia, Fisioterapia, Educação Física, Pedagogia, Direito, Contabilidade, Psicologia, Nutrição, Design, Arquitetura, Moda ou Gastronomia, entre tantos, a opção de atuar por conta própria será considerada pelo(a) aluno(a) em algum momento da sua carreira profissional e este momento tem sido cada vez mais cedo. Desta forma, conhecimentos, habilidades e atitudes empreendedoras só o(a) tornará um(a) melhor profissional, trabalhando para si ou para os outros.

Mas há outros cursos que muitos não enxergam uma relação direta com o empreendedorismo e inovação. Filosofia e Biblioteconomia são dois exemplos emblemáticos. Estes não entendem o real motivo de Mario Sergio Cortella, Luiz Felipe Pondé ou Clovis de Barros Filho fazerem tanto sucesso empreendendo algo que tende a ser cada vez mais, o maior problema do ser humano: a sua própria existência. Também desconhecem como o Google surgiu justamente a partir de um problema de pesquisa bibliográfica e a relevância de uma determinada referência em um mundo inundado de informações inúteis ou desconexas.

Mas o principal motivo de incluirmos empreendedorismo e inovação na grade curricular de todos os cursos superiores não está no fato de darmos mais alternativas de carreiras para os nossos alunos, mas porque ensinamos olhando para o passado, com exemplos, técnicas e abordagens de anos ou décadas atrás, que, em várias situações já não são mais utilizados pelo mercado.

Isto tem criado um desemprego sistêmico e funcional em que uma massa crescente de jovens não consegue encontrar uma vaga para aplicar o que aprendeu. Por outro lado, o aluno empreendedor é um visionário que tem iniciativa, sabe identificar oportunidades e estabelecer soluções inovadoras. Ser um empreendedor não se limita às pessoas que criam iniciativas muito rentáveis, negócios sociais ou mesmo empresas sem fins lucrativos. O comportamento empreendedor existe em todos os setores, em todos os níveis de carreira, em todos os momentos da vida. E, curiosamente, é o perfil mais demandado pelas principais empresas que precisam contratar talentos que querem empreender e inovar dentro das organizações. O empreendedor pode querer ou não ser empregado, mas nunca ficará desempregado.

Mas voltando ao professor… Ele tinha vários alunos e ex-alunos empreendendo. Anos depois, acabamos investindo na startup criada pelo Fabricio Bloisi e outros colegas da faculdade. Fabrício co-fundou a Compera, atual Movile, a maior empresa de aplicativos móveis da América Latina, com soluções como a PlayKids, iFood e TruckPad, tornando-se um dos principais empreendedores brasileiros da atualidade.  Um golaço da UNICAMP…

Marcelo Nakagawa é Professor de Empreendedorismo e Inovação do Insper e Diretor de Empreendedorismo da FIAP.