Blog


Blog do Empreendedor
O cotidiano de empreendedores como você
Twitter Facebook Orkut
Aumentar texto Diminuir texto

O empreendedor solitário, o inovador, a startup e sua equipe

22 de maio de 2018

Existe certa visão romântica e uma boa dose de mitologia acerca da figura do empreendedor, aquele sujeito arrojado e algo misterioso, corajoso e até genial, que ergueu sua startup totalmente sozinho, com muito esforço e trilhando um caminho solitário.

Certo? Não, nada de mais errado!

Nenhuma startup é criada por uma pessoa só, por mais genial que ela seja. Uma empresa de uma pessoa só não saberia adquirir velocidade e, desde logo, não teria agilidade para se estruturar e para desbravar seu próprio mercado.

Por outro lado, não devemos esquecer a centelha que move muitos empreendedores e, tampouco, desmerecer sua contribuição para o processo de inovação e criação!

Entretanto, vale observar que um empreendedor não precisa inovar, necessariamente; bem como, por sua vez, um inovador não precisa ser aquele que empreende. Inúmeros empreendedores, de diferentes tamanhos e setores, não fizeram nada mais do que empreender implementando modelos, produtos e serviços criados por outros, que já foram inovadores. O que eles fizeram – e é preciso garra, inteligência e velocidade para fazer isso – foi seguir quem inovou e dividir com ele fatias do mercado que, anteriormente, tinha sido dele por inteiro (escreverei sobre a sina do inovador e a visão de Schumpeter em um próximo texto).

Por sua vez, o inovador pode associar-se com um empreendedor ou, simplesmente, revender-lhe o fruto da sua inovação, para que ele transforme a ideia em algo que se torne palatável para o mercado.

Agora, voltando à nossa dúvida inicial, o empreendedor que queira transformar uma ideia inovadora em uma startup precisará permear a empresa de processos de gestão, tais que lhe permitam adquirir velocidade na execução e agilidade na abordagem do mercado. A gestão é o mal necessário do empreendedor, que lhe permite, por um lado, conter seus excessos de criatividade e transformar seu entusiasmo em um negócio sustentável; e, por outro, definir claramente quais são as áreas que gerem a companhia e as pessoas que as compõem.

Ficou claro, agora, que nenhum empreendedor faz uma empresa sozinho, mas, ao contrário, a cria cercando-se da melhor equipe.

Agora vem a difícil tarefa. Como escolher os membros da equipe de uma startup? Quais caraterísticas essas pessoas deverão ter

A lista de exigências poderia ser infindável, mas acredito que, no caso específico de uma startup, um bom começo pode ser observar os pontos a seguir:

1. Em primeiro lugar, é fundamental que a equipe esteja alinhada com os propósitos do empreendedor. Apesar de ser desejável um nível adequado de heterogeneidade na composição da equipe no que diz respeito às competências pessoais e de gestão, no momento do lançamento da start up é necessário que o barco zarpe com a tripulação bem consciente de quem é o capitão e de quais são a rota e as diretrizes de viagem.
2. O mesmo conceito vale no que diz respeito aos valores e à missão da companhia, que devem ser definidos antes mesmos do seu lançamento, não sendo negociáveis. Quem não concordar com o “credo” da empresa, não deverá fazer parte da equipe.
3. Neste momento da start up, é desejável procurar não somente bons colaboradores, mas pessoas que se “apaixonem” de fato pela sua proposta e se tornem seus evangelizadores. Uma equipe apaixonada pelo projeto será muito mais resiliente nas primeiras dificuldades e terá mais garra para superá-las.
4. É essencial que os membros da equipe sejam dotados do conjunto de competências e habilidades (skills) necessárias à implementação do projeto e à adequada gestão da empresa. Alguns skills podem ser adquiridos em um segundo momento, mas é importante escolher, como membros da equipe, colaboradores que tenham capacidade e disposição de adquiri-los depois.
5. É desejável que os colaboradores escolhidos mantenham um mix de competências complementares entre si, viabilizando a formação de uma equipe multidisciplinar, essencial para o crescimento do negócio e a gestão da companhia.
6. Last but not least, é aconselhável montar, no limite do possível, uma equipe fácil de se conviver e que saiba agregar e compartilhar. Garanto que estruturar a equipe dessa forma vai ser muito melhor para os negócios e para o dia-a-dia da companhia!

Luca Borroni-Biancastelli é PhD em Economia e Teorias Econômicas, co-fundador e Dean da Brain Business School, conselheiro emérito da UNICON-Consortium for University-based Executive Education, conselheiro, professor universitário e empreendedor.

Como promover a mudança do mindset?

22 de maio de 2018

Até pouco tempo atrás a resposta que valia um milhão, de alguma moeda, era: como encontrar o franqueado com perfil ideal, com capital suficiente disponível para investir na “minha” franquia?

Agora estamos sendo provocados a mudar o mindset para podermos acompanhar todas as mudanças que estão ocorrendo em função da tecnologia, do comportamento e da percepção de valor dos jovens que são consumidores de muitos de nossos negócios e serviços. Teoricamente, parece que boa parte dos empresários do franchising perceberam que precisam mudar sua forma de gestão ou até mesmo reformular seus modelos de negócios.

:: Marcas que abriram para franquias no último ano ::

Mas, na prática, é curioso observar como as referências, para muitos deles, ainda sejam os autores do passado recente, que são fantásticos, mas hoje precisam pensar que um algoritmo pode se tornar o maior concorrente de uma vaga de emprego, que quem melhor nos atende é um robô, que o delivery não requer mais equipe própria de motoboys e os apps de entrega fazem este papel tão bem.

Que seus filhos ou netos mudaram demais o comportamento e desejos – ser é melhor que ter, o Airbnb tem maior valor para eles que os imóveis que poderão ou poderiam herdar. Enquanto isso, muitos empresários, no sistema de franchising, estão assistindo tais mudanças, sem a clara percepção do que está para acontecer com suas empresas, cedo ou tarde, dependendo de quanto tempo demorarem para encarar estas transformações de mercado e mudarem seus mindsets.

Como fazer, se é difícil entender tais processos a ponto de saber o que e como atuar, implantar, modernizar e, quem sabe, inovar?

:: O Franchising como alternativa para jovens empreenderem ::

Startups podem ser parceiras ou fornecedoras, franqueados podem trazer ótimos insights, novos fornecedores devem oferecer soluções inusitadas, players do mercado com cases de sucesso de boas práticas devem ser observados.

Nosso maior patrimônio passou a ser nosso network, pensamento em rede e, no caso de franqueadores, para a rede também. Importante se imbuir de aprendizado, assumindo que não se pode ser bom em tudo e que com toda esta demanda de transformação, os franqueadores podem assumir que querem e precisam aprender novos caminhos com os mais novos, com o que há de novo, trilhando novas rotas que conduzirão a novos modelos de gestão e melhores posicionamento e resultados.

A velha escola não faz mais sentido, serve só de registro histórico que não levará ao futuro. Vamos nos livrar das pendências para focar nas tendências. Ter bons produtos e serviços em ambientes que promovam excelente experiência. E, fundamentalmente, saber o que gera valor na percepção de todos os envolvidos com suas marcas.

Foi dada a largada! E já faz algum tempo… Go!

Ana Vecchi é professora e pedagoga pela PUC-São Paulo, com especializações em administração de marketing pela Fundação Getúlio Vargas (SP), planejamento estratégico de marketing pela ESPM e MBA em varejo e franquias FIA/PROVAR. É professora universitária, instrutora e palestrante em associações e universidades. Co-autora do livro A Nova Era do Franchising.

O jeito Netflix de empreender

21 de maio de 2018

Dos tantos palestrantes bacanas que estiveram reunidos na semana passada no VTEX DAY de 2018, o que mais me empolgou – e eu admito que não esperava – foi o ex-CEO e cofundador da Netflix, Marc Randolph. Eu achei que assistiria a uma palestra burocrática e cheia de clichês de Silicon Valley, mas fui surpreendido por um cara muito bem-humorado, que descreveu a sua jornada cheia de imperfeições e reviravoltas, com verdadeiros conselhos práticos para qualquer empreendedor.

Desde 2004, Marc já não faz mais parte do dia a dia da Netflix e se dedica à sua paixão: iniciar empresas de tecnologia. Às vezes acerta, às vezes erra, mas adora mesmo assim, como ele mesmo diz, com muito carisma. Se acaso alguém ainda tiver alguma dúvida do currículo dele, aqui algumas empresas de sucesso que ele participou e investiu, em ordem cronológica:

1983: Mailbox Music
1984: Guitar FPTM Magazine
1986: MacUser Magazine
1987: MacWarehouse
1988: MicroWarehouse
1995: IntegrityQA
2012: Looker Data Science

Mas, sem dúvidas, todos estávamos lá para ouvir sobre a Netflix, e Marc não decepcionou. Contou do inicio da ideia, quando ele pegava carona na Kombi de seu amigo e futuro sócio Reed Hastings e falavam sobre empreender, encontrar uma ideia que valesse a pena apostar.

Os ensinamentos:

- Netflix era uma ideia ruim e não tínhamos dinheiro. Mas no final deu certo. O importante é testar a ideia e adaptar constantemente
- O empreendedor precisa de três coisas: alta tolerância a riscos, uma ideia e confiança
- Não precisa ser uma grande ideia, não precisa ser original, não precisa ser complicada, não precisa nem ser uma boa ideia
- Minha mulher achou a Netflix a ideia mais estúpida que eu já tive
- Assuma os riscos e faça alguma coisa com a sua ideia. Posso garantir a vocês: ninguém tem certeza de nada. Ninguém pode prever o que vai dar certo ou errado
- Ficar muito tempo avaliando se a ideia é boa ou não é pura perda de tempo. Tem que testar
- Onde encontrar uma bia ideia? Procure pela dor, pela dificuldade, onde as pessoas passam dificuldades. É na solução de problemas onde estão as melhores ideias
- A vida média de uma ideia é 24 horas. Começamos a semana com 60 ideias e no final da semana, com sorte, temos uma ideia viável
- Eu nunca sonhei que a Netflix se tornaria o que é hoje
- Sou um péssimo investidor anjo, pois me apaixono por todos os projetos

Ivan Primo Bornes (ivan@pastificioprimo.com.br) é empreendedor e fundador da rede de rotisserias Pastificio Primo (pastificioprimo.com.br)

Google responde? Como você define seu sucesso e o que está fazendo para atingi-lo?

18 de maio de 2018

Sim! O Google responde! “Eu gostaria de ter lido este livro 19 anos atrás, quando nós fundamos o Google. Ou mesmo antes disso, quando eu cuidava apenas de mim…”, escreve Larry Page, co-fundador do Google, no prefácio do livro Measure what Matters: OKRs: The Simple Idea that Drives 10x Growth (Portfolio, 2018) escrito por John Doerr.

“Eu não costumo escrever prefácios. Mas concordei em escrever este porque John deu um tremendo presente ao Google durante todos esses anos. OKR nos ajudou a crescer a uma taxa de dez vezes, muitas vezes. Ajudou-nos a tornar nossa arrojada missão de organizar a informação do mundo em algo muito mais factível. E ainda me manteve e assim como o restante da empresa no tempo e caminho correto quando isto foi mais necessário. E eu gostaria de deixar isto bem claro para que as pessoas soubessem disso”, finaliza o discretíssimo empreendedor do Google.

John Doerr não foi apenas o primeiro grande investidor do Google – ao aportar cerca de US$ 12 milhões por 12% do então recém-criado mecanismo de busca -, o investidor de outros sucessos como Compaq, Netscape, Sun Microsystem, Amazon, Waze e Uber, ou ainda um dos principais mentores de empreendedores como Steve Jobs, Mark Zuckerberg ou Jeff Bezos. Ele foi (e é) um dos principais disseminadores da abordagem de gestão de pessoas que tem orientado boa parte das empresas de mais rápido crescimento ao redor do mundo: Objective and Key Results (OKRs). Nada mal para quem chegou ao Vale do Silício com 50 dólares no bolso, sem emprego ou lugar para morar e agora tem uma fortuna estimada em US$ 7,5 bilhões.

Depois de mais de 40 anos ajudando a construir grandes negócios, agora Doerr transforma toda a sua experiência em um livro que apresenta o OKR por meio de diversas experiências, passando por erros e acertos de negócios como Google, Fundação Bill e Melinda Gates, além de projetos com o líder do U2, Bono Vox.

Mais do que um método para direcionar crescimentos elevados e consistentes de um negócio, o ORK integra colaboradores à estratégia da empresa ao orientá-los a elaborar boa parte dos seus próprios objetivos e resultados esperados, ao mesmo em que obriga todos a refletir sobre os verdadeiros motivos de determinar aqueles indicadores. Para conhecer mais sobre esta abordagem, leia este artigo.

Mas a principal reflexão trazida por Doerr sobre objetivos e resultados-chave não está relacionada ao dinheiro: “Há dez anos atrás”, disse John Doerr no discurso para os formandos da Rice University em 2007, “eu não estava priorizando a minha família. Eu viajava muito. E qualquer trabalho era uma prioridade maior do que ficar com a família. Quando comecei a perder alguns almoços ou jantares em casa, ficou fácil não estar mais presente. Um dia eu percebi que minha filha Esther estava andando e Mary já estava no jardim de infância. E Ann [a esposa] foi diagnosticada com câncer (ela se curou depois). Tudo mudou. Eu mudei. E passei a colocar a família como a minha principal prioridade. Estar em casa às noites passou a ser a minha principal prioridade. E não era só estar presente. Eu declarei que entre seis e dez da noite não responderia nenhuma mensagem. Todas as reuniões de negócio, jantares e viagens deveriam passar no seguinte teste: Isto é mais importante do que estar em casa hoje à noite? Desde que adotei este teste, tenho jantado em casa quase todas as noites. Eu não tenho medo de fracassar. Só não posso fracassar em uma situação: com minha família e minhas filhas. Quando fracasso como investidor, eu posso perder algum dinheiro e um pouco de orgulho. Mas se fracasso como pai, eu perco o amor e a convivência que jamais poderá ser recuperado!”

Por isso, “você tem, de fato, os indicadores corretos? Invista seu tempo para definir seus valores, objetivos e resultados-chave. E faça isso hoje!”, alerta John Doerr em sua palestra no TED2018.

Marcelo Nakagawa é Professor de Inovação e Empreendedorismo do Insper, FIA, Fundação Vanzolini e Instituto Butantan

Novas profissões: cinco funções típicas de startups que existirão nas grandes empresas

11 de maio de 2018

Isto não é novidade. Organizações sempre buscam se moldar a padrões de gestão que, naquele momento, fazem mais sentido. No início do século passado, Henry Ford criou padrões e processos que rapidamente foram replicados por outras organizações e mantidos por décadas. Posteriormente, outros empreendedores independentes como Sam Walton (Walmart) e Akio Morita (Sony) ou corporativos como Shoichiro Toyoda (Toyota) e Jack Welch (GE) também estabeleceram abordagens administrativas que se tornaram padrão em outras organizações. Essas novas abordagens sempre foram consolidadas por meio de novas funções e, daí, novas profissões como gestor de processos (Ford), da cadeia de valor (Walmart), inovação (Sony), qualidade (Toyota) ou melhoria sistemática (GE).

Novamente, a história se repete e empresas criam novas lógicas de gestão que, cedo ou tarde (demais para várias organizações), também serão adotadas e difundidas por outras. A novidade dessas novas abordagens é que vêm sendo criadas e difundidas principalmente por startups, novos negócios baseados em tecnologias inovadoras e escaláveis que estão enfrentando e, muitas vezes, tornando obsoletos negócios tradicionais e conservadores.

:: ‘É tanto aventureiro que o mercado fica poluído’, diz CEO da Ewally sobre fintechs ::
:: Sete startups são selecionadas para 4ª edição de programa de inovação aberta do Bradesco ::

Neste contexto, se pensa em se preparar para os novíssimos empregos do futuro, entenda o que está acontecendo na gestão de startups, analise essas novas funções, reflita se também fariam sentido em iniciativas de maior porte e, se fizer sentido para você, prepare-se para novas profissões como estas:

Gerente de Customer Success. Qual é o nível mínimo de satisfação para, ainda assim, manter a fidelidade do cliente? Este é o mantra de diversas organizações que acreditam que maximizar a satisfação do cliente reduz a lucratividade. Mas a lógica de manter o cliente “satisfatoriamente satisfeito” não vale para as startups pela simples razão que tendo isto como objetivo elas simplesmente deixam de existir em um curtíssimo espaço de tempo. Sabendo disso, quase todas as startups mais profissionalizadas contam com uma função-chave: o responsável pelo sucesso do cliente. Soa estranho para quem trabalha em uma organização tradicional. Como assim, trabalhar para o cliente ter sucesso? Mas a função de quem atua com customer success é fazer com que o cliente realmente atinja e, principalmente, perceba e valorize seu sucesso pessoal por meio do produto ou serviço. Analise e, quem sabe, candidate-se aqui a essa vaga de customer success na RD, uma das principais startups de marketing digital do Brasil.

Growth Hacker. Como fazer uma empresa crescer em vendas é a pergunta feita constantemente por qualquer empreendedor ou executivo que lidere um negócio. As startups desta nova geração foram criadas e estão sendo desenvolvidas por meio do que é simplesmente chamado de analytics. Por utilizar diversas plataformas que geram dados de desempenho, cabe ao Growth Hacker interpretá-los e criar experimentos que levem rapidamente a resultados positivos de crescimento ou, como ocorre em boa parte do caso, ao rápido abandono de uma tática que se mostrou ineficaz. Crescimento das vendas, cada vez mais, uma ciência dominada pelo Growth Hacker. Conheça mais sobre esta função analisando esta vaga disponível hoje.

Community Manager. Líderes de diversas grandes corporações estão angustiadas pois seus colaboradores, áreas, departamentos ou unidades simplesmente não se falam, não se conhecem pessoalmente e, daí, não trabalham em equipe ou desenvolvem uma visão holística sobre uma determinada questão. Com o avanço de profissionais terceirizados convivendo com CLTs, isto só tende a se agravar nos próximos anos. Nas startups, principalmente naquelas que atuam em serviços de coworkings, a função de Community Manager, a pessoa que conecta pessoas, semeando novas oportunidades, é chave para o sucesso do negócio. Para entender melhor esta função, analise esta vaga divulgada pelo WeWork São Paulo.

Agile Coach. Como várias das novas funções, a tradução para o português (“treinador ágil”) não explica suas atribuições. Mas não há CEO de uma grande empresa do país que não cobre mais agilidade da equipe, dos processos, dos resultados. Mas a organização continua no escravos-de-jó-jogavam-caxangá. É aqui que entra o Agile Coach, que dissemina e consolida as técnicas e a filosofia das ferramentas ágeis de gestão de projetos. Squads, sprints, standup meetings são conceitos comuns em startups e tendem a ser adotadas em grandes empresas. Para saber mais sobre esta função, analise esta esta vaga da Creditas, uma das principais fintechs do país.

Especialista em Employer Branding. Mais que o termo em si, que precisa de pelo menos dois minutos para ser explicado, a cultura de uma organização precisa ser mais do que autêntica, inspiradora e direcionadora, precisar ser vivida por cada membro do seu time. O responsável pelo employers branding atua nesse sentido. Como? Cada caso é um caso. Mas esta vaga da startup Quinto Andar é bastante didática para definir a função.

Caso se interesse por conhecer outras vagas em startups, deixei uma lista com as principais oportunidades neste link.

Marcelo Nakagawa é Professor de Inovação e Empreendedorismo do Insper.

Empoderando as mulheres empreendedoras

9 de maio de 2018

O termo empoderamento feminino tem ganhado enorme destaque nos últimos tempos, com o objetivo claro de busca pela redução das diferenças de direitos entre homens e mulheres, seja no mercado de trabalho ou na sociedade de uma forma geral.

Embora percebamos importantes avanços em relação ao empoderamento feminino, diversos estudos apontam que há ainda uma enorme disparidade de gênero em aspectos financeiros, profissionais e sociais, especialmente no que se refere a salários e oportunidades de ascensão.

O paradigma do modelo familiar tem sofrido transformações relevantes, mas a participação masculina na vida familiar ainda não é proporcional. As mulheres assumem grande parte das tarefas domésticas e dos cuidados com os filhos, e essa dupla jornada dificulta a conciliação entre a vida familiar e a profissional.

Pouco se debate nas companhias como efetivamente implantar um sistema de gestão de pessoas realmente meritocrático, o que certamente corrigiria as distorções de gênero. Porém, a evidência aponta ainda para um alto nível de preconceito e resistência, retardando uma evolução acelerada.

Considerando que as oportunidades de ascensão na carreira ainda são limitadas para as mulheres, será que o empreendedorismo não poderia acelerar o processo de empoderamento feminino? Iniciar um negócio diminuiria a dependência da figura masculina e traria independência em relação ao seu futuro, porém empreender traz maiores riscos e dificuldades, apesar das enormes oportunidades.

Não há uma estatística oficial, mas alguns estudos apontam que cerca de 30% a 40% das empresas do Brasil são detidas por mulheres. Aproximadamente metade dos negócios que se iniciaram em 2016 foram abertos por mulheres. A grande diferença é que as empresas das mulheres crescem menos e poucas efetivamente se tornam médias ou grandes, o que denota certo conservadorismo, ou mesmo falta de oportunidades.

Apesar das diferenças dos gêneros, os fatores culturais ainda influenciam em como as mulheres agem em relação ao potencial do empreendedorismo. Há uma clara evolução no processo de desenvolvimento das mulheres nos últimos tempos, mas poucas são efetivamente preparadas para cuidar das finanças ou mesmo liderar pessoas e negócios. Essas competências, que são essenciais para se iniciar um negócio, precisam ser desenvolvidas, não só pelos seu efeitos práticos, mas também para contribuir com a confiança necessária para que ela se torne uma futura líder e seja reconhecida por sua competência e influência positiva.

Homens tendem a ser mais sistemáticos. As mulheres costumam ter melhor empatia e são geralmente melhores comunicadoras e formadoras de times, além de na média, terem maior nível ético e mais paciência, especialmente na administração das emoções e das relações interpessoais.

São grandes os desafios do empreendedorismo feminino. Primeiramente é preciso quebrar as barreiras culturais e superar o preconceito familiar, o conservadorismo, e às vezes as travas do moralismo excessivo.

Todas as mulheres têm capacidade para empreender. Desta forma, é importante fortalecer a autoestima e lutar pelos seus objetivos. Outro fator relevante é a necessidade de conciliar a vida pessoal com a profissional para não comprometer nem a família nem a companhia.

É importante para a mulher desenvolver uma atitude empreendedora, contudo é vital definir o quanto ela estaria disposta a abrir mão e a se sacrificar para crescer e empreender.

Muitas mulheres se sentem inseguras e despreparadas para iniciar ou gerir seus negócios, mas o mesmo acontece com a maioria dos homens. Insegurança e medo fazem parte da natureza humana, mas o mais importante é ter coragem e resiliência para superar barreiras.

Há diversas organizações sérias que estão se mobilizando para contribuir com o empoderamento feminino no empreendedorismo. A ONU Mulheres, o Sebrae, a Rede Mulher Empreendedora, a Escola de Você, a Endeavor e o Itaú Mulher Empreendedora são ótimas fontes para a mulher se informar e se apoiar para iniciar seu negócio.

O empreendedorismo feminino, além de diminuir as diferenças de gênero, tem potencial de altíssimo impacto social, mas algumas barreiras têm que ser vencidas. É necessário expandir as redes de contatos, criar empresas mais inovadoras e principalmente destinar mais recursos financeiros para suas companhias. Apesar de serem melhores pagadoras, as mulheres geralmente não têm a mesma capacidade de captação de financiamentos do que os homens.

Empreender é realizar, transformar idéias em realidade. É difícil, corre-se riscos e exige sacrifício, mas pode transformar sua vida. Numa sociedade e num ambiente empresarial ainda desbalanceados em termos de gênero, o empreendedorismo feminino é, sem dúvida, uma forma de acelerar o desenvolvimento das mulheres, especialmente na base da pirâmide da sociedade.

Tudo começa com uma ideia e a vontade de empreender. É importante buscar orientação e capacitação, para começar a transformação de vida. Empreender é fascinante, o que pode propiciar maior controle de seu futuro e acima de tudo, possibilitar de forma justa que a mulher alcance seu máximo potencial.

Ricardo Mollo é empreendedor, CEO da Brain Business School e PhD candidate na University of London.

Cristina Delboni é executiva, possui mestrado pelo IPT e é Gerente de Operações da Brain Business School.

O Franchising como alternativa para jovens empreenderem

9 de maio de 2018

O franchising é uma boa alternativa para jovens que acabaram de se formar ou estão pensando em empreender. Na década de 1990 dizíamos que não, pois não eram maduros para assumir a gestão de um negócio, que seus pais não deveriam comprar uma franquia como se estivessem comprando um emprego para eles. Assim como não se deve comprar franquia para o cônjuge, sem que ele ou ela participe da decisão, da escolha e do processo de seleção. Porém, atualmente, os jovens são mais investigativos, curiosos, estão gostando muito da ideia de empreender, de criar, gerenciar, aprender sobre negócios e seus diferenciais, métricas, resultados e impacto na vida dos clientes e consumidores.

:: Marcas que abriram para franquias no último ano ::

Um problema é que estão achando que é muito legal errar também. A onda das startups, com a licença poética de tanto poder acertar quanto errar, custa muito, mas muito caro no varejo! A franquia entra com a rota de diminuição de erros ou riscos, orientação e suporte de franqueadores e suas equipes, correção e todos focando nos acertos, ajustes, melhorias.

Se alguém já formado, experiente e calejado encontra na franquia um viés de aprendizagem, de recomeço de vida profissional e do início empresarial, por que o jovem idealizador – “a folha em branco” cheia de sonhos, teorias, sites, vídeos e fotos de blogueiros inspiradores, além das páginas de livros resumidos com os melhores insights na web – deveria ser tolhido dessa experiência? Ainda, o que mentores práticos como um franqueador, um consultor de campo, um gerente de RH ou diretor de marketing – que, juntos, podem inclusive aprender o que os clientes da marca que este empreendedor millennium está adquirindo – podem trazer de sugestão? Para muitas empresas, o futuro franqueado pode falar a língua dos seus clientes, ter na boca o sabor que os clientes querem experimentar, ter customizada a camiseta que eles querem vestir, ter propósitos e estilo de vida comuns aos do público alvo.

É interessante demais observar a mudança de tudo que estamos falando, escrevendo, discutindo, vivendo! Como consultora, aos 30 anos, eu precisava parecer mais velha, mais madura e mais experiente. Advogados e médicos também tinham o desafio de transmitir segurança a seus clientes e pacientes. Hoje, ao entrar em uma reunião com empresários em busca de inovação e melhor posicionamento de suas empresas, assim como ao discutir mercado e share, investimentos e resultados com fundos de investimento, levo comigo um (ex) CFO ou um CMO de alguma startup reconhecida, com um CV maluco e idade para ser meu filho, que se comporta, de igual para igual, com quem tem a experiência de seu avô. A mesma segurança, dados e cases na ponta da língua, provocando reflexões e mudanças de paradigmas com muita facilidade.

A economia compartilhada está no propósito de vida deles. Portanto, pertencer a uma rede de franqueados possibilita a troca de experiência e conhecimento, o network em busca de novas ideias e soluções, a mente inovadora. E as respostas que os mais velhos buscam, neste mundo que muda a cada minuto, pode estar entre os franqueados.

Trata-se de uma (grande) oportunidade aos jovens empreendedores e aos franqueadores que estão lutando pela sobrevivência ou melhores resultados. E, como sempre foi, é preciso se encontrarem, terem perfis que “match” em negócios que “fit” aos propósitos e estilos de vida desses jovens. E isso é muito mais que ROI para eles, se é que me entendem.

Ana Vecchi é professora e pedagoga pela PUC-São Paulo, com especializações em administração de marketing pela Fundação Getúlio Vargas (SP), planejamento estratégico de marketing pela ESPM e MBA em varejo e franquias FIA/PROVAR. É professora universitária, instrutora e palestrante em associações e universidades. Co-autora do livro A Nova Era do Franchising.

E aí, tudo bem? Tudo bem… Esta e outras mentiras verdadeiras alardeadas pelos empreendedores

4 de maio de 2018

“E aí, tudo bem?”, pergunto. “Tudo bem”, responde o empreendedor em sua apresentação.

Terminado o pitch, ele me aborda e pede ajuda para abrir portas com investidores. “Mas você acabou de dizer que está tudo bem, que o produto foi validado, que tem um time incrível, que o mercado está bombando, que captou R$ 2 milhões, que está em um escritório muito bacana…. Por que precisa de investidores?”, questiono.

Daí o semblante do empreendedor muda. “Sabe, não é bem assim. Chegamos a muito custo no break-even no mês passado, não conseguimos fechar boa parte das vendas, tínhamos 10 pessoas em tecnologia formos obrigados a reduzir para apenas duas, nossos concorrentes estão crescendo sem parar, investimos todo o dinheiro em uma solução que ainda demanda ajustes e fazemos um escambo com o proprietário do escritório…”, desabafa.

Nos últimos anos, ser empreendedor se tornou algo mítico, sinônimo de inovador, de desbravador, revolucionário e, principalmente de vencedor. Empreendedores encantam plateias contando suas trajetórias épicas, são premiados, reconhecidos, copiados e servem como inspiração para um crescente número de pessoas que acredita no sonhar grande. Mais aí vem o cesto de lixo… “Como assim o lixo?”, pergunto a um amigo que iniciou um novo negócio.

Eu era diretor de um grande banco, mas fui demitido e decidi abrir minha empresa. Durante toda a minha vida como executivo, nunca me preocupei com meu cesto de lixo. Todos os dias, pela manhã, ele estava lá, totalmente limpo e vazio. Mas agora que estou sozinho, preciso fazer tudo. Por isso, empreender para mim é ter que limpar, literalmente, seu próprio cesto de lixo. Se não fizer isso, na manhã seguinte, seu lixo ainda permanecerá lá, mas estará ainda pior.

Lembrei desta passagem enquanto o empreendedor que me abordava dizia que agora ele tinha que limpar o próprio banheiro do escritório…

Muito se tem falado sobre o lado bom de empreender e isto é fundamental para avançarmos com a cultura empreendedora do país. Precisamos, cada vez mais, de empreendedores inovadores comprometidos em criar novas e melhores soluções. Mas há o lado ruim, difícil e, muitas vezes, pouco falado, como ter que cuidar do seu próprio lixo e limpar a m. que encontra pelo caminho.

O difícil não é estabelecer uma meta grandiosa, complicada e audaciosa, é demitir pessoas quando ela não é alcançada. O difícil não é contratar funcionários excelentes, é quando esses funcionários excelentes passam a achar que têm o direito de exigir coisas que não são razoáveis. O difícil não é montar o organograma da organização que você idealizou, é fazer as pessoas se comunicarem dentro dela. O difícil não é sonhar grande, é acordar suando frio no meio da noite quando o sonho vira pesadelo.

O alerta é de Ben Horowitz, um dos mais respeitados empreendedores e investidores do Vale do Silício, não pelo seu enorme sucesso (que teve), mas pela franqueza com que aborda passagens que todos os empreendedores vivenciam, mas que não admitem em público já que sempre está “tudo bem”.

Por isso, empreendedores ou interessados no assunto também deveriam conhecer e valorizar o “Lado Difícil das Situações Difíceis”, título do livro de Horowitz. Mas também é difícil encontrar tanta sinceridade como nos livros Nada Easy, de Tallis Gomes (co-fundador da Easy Taxi e Singu), ou A Marca da Vitória, de Phil Knight, co-fundador da Nike. Knight, por exemplo, conta como mentiu, desde o início, quando falou que tinha uma empresa já estruturada nos Estados Unidos para fazer a primeira importação de tênis do Japão, das diversas vezes que convenceu seus financiadores que estava tudo bem (quando tinha caixa para apenas mais um ou dois meses) e das centenas, talvez milhares, de más decisões para manter o “tudo bem” perante todos que o rodeavam, inclusive família.

Mas voltando ao empreendedor que me pedia ajuda, cito a definição de empreendedorismo que outro amigo, empreendedor de muito sucesso costuma dizer em suas apresentações: “Empreender é mentir sem se f…”

Depois de uma boa gargalhada, o semblante dele até então derrotado, agora, tem um grande sorriso vencedor e os olhos voltam a brilhar intensamente.

“Tudo bem! Vou ajudar!”, digo enquanto o apresento, por e-mail, a amigos que são investidores.

Marcelo Nakagawa é Professor de Empreendedorismo e Inovação do Insper

Por que jovens brilhantes estão largando bons empregos para empreender e o que as empresas deveriam fazer para (não) retê-los

13 de abril de 2018

Talvez alarme não seja o termo ideal, mas chama a atenção a preocupação de boa parte das principais empresas do Brasil com o pedido de demissão de jovens que largam ótimos empregos, bons salários e grandes planos de carreira para empreender. Em geral são os mais promissores, que se formaram nas melhores faculdades, são fluentes em dois ou mais idiomas, além de terem níveis elevados de inteligência emocional. Daí a preocupação e, consequentemente, o alarme dos líderes da organização. Não só em função do investimento feito pela empresa naquele profissional, mas, principalmente, nos vácuos de liderança e sucessão que começam a se formar nas organizações que se acostumaram a se posicionar entre as mais desejadas.

Muitos jovens mimados pedem para sair por imaturidade mesmo e as organizações deveriam agradecê-los pelo favor e repensar o processo de contratação.

Mas o questionamento se concentra nos grandes talentos que estão deixando as corporações. Uma das principais empresas de alimentos ilustra este contexto. A marca conhecida, respeitada e desejada atrai mais de 20 mil candidatos interessados em seu programa de trainee todos os anos. Assim, não foi fácil para uma jovem conseguir uma das 20 vagas oferecidas em 2016. Mas um ano depois, ela e outros 15 trainees haviam pedido demissão para se juntar a uma startup. O motivo da desistência do salário de quase R$ 10 mil: hipocrisia da empresa. Comprou o sonho (que ainda está no site da instituição) de que faria a diferença em uma carreira cheia de desafios em uma organização aberta à inovação alinhando seu propósito de vida aos objetivos da empresa, mas encontrou um local rígido de trabalho onde o chefe sempre contava as melhores piadas. Ganhando menos, trabalhando até mais, ela agora está feliz liderando uma área de novos negócios de uma startup.

A história dela e de vários outros jovens é resumida por Tallis Gomes, um dos principais empreendedores do Brasil e recém-eleito como um dos jovens mais inovadores do mundo pelo MIT:

Eu cansei de tirar pessoas que trabalhavam em empresas renomadas para virem trabalhar comigo ganhando a metade do que eles ganhavam. E sempre me perguntam como eu consigo contratar tanta gente boa pagando tão barato assim. E explico que eles não estão vendo valor que estão recebendo em dinheiro. Eles estão vendo valor em conhecimento profissional, em experiência. E aí eles saiam de uma grande empresa, na qual sua principal função era fazer Power Point e Excel, e se mudavam para uma empresa que tem como propósito de vida entregar um bem maior para a sociedade.”

Neste contexto, das organizações que não só querem contratar talentos empreendedores e inovadores, mas mantê-los assim, algumas reflexões podem ser úteis:

Não use filtro ou Photoshop. Se vender sua empresa como perfeita só atrairá os tolos que acreditam que isso existe. Nos últimos anos, algumas consultorias de recrutamento começaram vender bojo de sutiã na forma de empregos incríveis em empresas incríveis para pessoas incríveis. Mas de incrível mesmo só o valor que cobravam. As organizações precisam mostrar que não são perfeitas, que o trabalho nem sempre é inspirador e ainda assim é possível entregar benefícios para todos os envolvidos. Se a jovem que menciono no início do texto tivesse consultado o site da LoveMondays antes de se candidatar, teria entendido que aquela empresa não era Cinco Estrelas, mas medianamente 3,2. E não há problemas em atuar em uma organização 3,2 desde que não tenha sido vendia como 5.

Contrate ex-empreendedores. A chance de uma startup quebrar é de cerca de 92% nos Estados Unidos e algo semelhante ou pior no Brasil. Assim, se cresce o número de pessoas que querem empreender, o mesmo ocorre com ex-empreendedores. Trazer alguém que já empreendeu e quebrou a cara para dentro de uma organização pode ser o equilíbrio entre comportamento empreendedor, engajamento e disciplina executiva demandado por muitas empresas. Trazer empreendedores que fracassaram para contar suas trajetórias em palestras para seus colaboradores também pode ser didático e motivador (para manter seus talentos engajados, é claro).

Adote práticas, ferramentas e abordagens típicas das startups. Para não perder seus talentos para startups, muitas grandes empresas estão se tornando (hipocritamente) uma. Ambientes descontraídos podem contribuir para práticas de trabalho mais informais e colaborativas, mas não serão os pufes coloridos que transformam empresas tradicionais em startups. Práticas de gestão típicas de startups como OKR (Objetive and Key Results) e ferramentas ágeis de desenvolvimento de projetos como Scrum conseguem integrar alinhamento estratégico ao engajamento dos colaboradores. Ferramentas como Lean StartupDesign Thinking incentivam a interação dos funcionários com o mundo real, a percepção do impacto do seu trabalho na vida das pessoas e a importância da experimentação no processo de aprendizado. E aceleradoras corporativas de projetos podem disseminar (e valorizar) o comportamento empreendedor dos empregados.

Por fim, transforme a organização em uma plataforma de inovação aberta. Estabeleça estratégias para novos negócios sinérgicos com startups, mesmo que criadas pelos melhores funcionários da organização. Se ele(a) for realmente excelente, é melhor mantê-lo(a) por perto…

Marcelo Nakagawa é Professor de Inovação e Empreendedorismo do Insper

 

O empreendedor global

13 de novembro de 2017

De hoje a domingo, 35 mil eventos em 165 países comemoram a Semana Global do Empreendedorismo, a maior celebração mundial dos inovadores e criadores de emprego. A abertura estará a cargo do empreendedor serial sir Richard Branson.

Mais do que a grande mobilização em torno do tema, esta Semana do Empreendedor chama a atenção pela importância que assumiram aqueles que iniciam negócios, mesmo em países em conflito ou em crise.

O empreendedorismo é vibrante mesmo em regiões onde pode não ser esperado. Na China, ele vem promovendo uma verdadeira revolução na economia. Na Venezuela, em meio à turbulência política e econômica, o empreendedorismo está evoluindo por necessidade. Mesmo em países devastados pela guerra, como a Síria, existem bolsões de startups.

Isso prova que empreender ultrapassa diferenças políticas e geográficas: empreendedorismo de diversos países tem muito em comum, desde suas motivações a seus desafios. Um exemplo disso é o desemprego – principalmente o de jovens –, que vem sendo um motor pra iniciar negócios em quase todas as partes do mundo.

Por outro lado, em quase todos os países existe o desafio de espalhar geograficamente o empreendedorismo, que costuma ser um fenômeno urbano. A preocupação em diversas regiões é estimular o início de novos negócios em áreas e setores menos empresariais.

E, por fim, há a faca de dois gumes da tecnologia: ao mesmo tempo em que ela cria novas oportunidades de negócios e as espalha geograficamente, também está fazendo que estes novos negócios funcionem com cada vez menos trabalhadores. Ou seja, a tecnologia limita o impacto social das novas empresas.

De toda forma, a Semana Global do Empreendedor confirma o que se vem afirmando aqui nesta coluna semana após semana: os empreendedores são mais importantes do que nunca. E não importa em que idioma, nível político, regime econômico ou mesmo inclinação religiosa.

Empreender é a grande linguagem universal.

Ivan Primo Bornes – fundador da rede de rotisserias Pastifício Primo (www.pastificioprimo.com.br) ivan.primo@pastificioprimo.com.br