Blog


Blog do Empreendedor
O cotidiano de empreendedores como você
Twitter Facebook Orkut
Aumentar texto Diminuir texto

Quer ser o melhor de você? Vivencie o fluxo de Mihaly Csikszentmihalyi! É mais fácil do que pronunciar seu nome.

27 de abril de 2018

Duas perguntas simples: Se avaliasse sua habilidade para realizar sua atividade planejada para hoje com uma nota entre zero e dez, qual seria? Da mesma forma, como avaliaria quão desafiador seria realizar esta atividade com uma nota entre zero (nada desafiador) e dez (extremamente desafiador)?

Agora, faça o cruzamento das suas respostas, considerando o gráfico abaixo. Se suas duas notas estiverem acima de sete, muito provavelmente está no estado de fluxo, considerando o conceito do  psicólogo húngaro Mihaly Csikszentmihalyi (algo com mirraili checksmirraili).

Muito já foi pesquisado e publicado sobre o comportamento empreendedor . Mas como manter este comportamento em alto nível durante muito tempo ou mesmo durante toda a vida como fizeram Steve Jobs, Walt Disney ou Thomas Edison? E mais recentemente, Elon Musk, Richard Branson ou Mark Zuckerberg? Ao longo da sua carreira como psicólogo e pesquisador, Mihaly Csikszentmihalyi, estudou o que chamou de Fluxo ou Teoria do Fluxo, um estado mental em que uma pessoa executa uma atividade em completa imersão, plenamente energizado, totalmente envolvido, muito feliz e infalivelmente eficaz. Esta sensação de estar “em Fluxo” é comumente sentido por atletas, músicos, artistas, por exemplo. Mas também pode ser percebida em atletas amadores como alguém que termina uma maratona que era desafiadora nas condições planejadas ou um médico que finaliza uma cirurgia de alto risco com sucesso. O Fluxo para Csikszentmihalyi é sentir muito desafiado nos estágios máximos da sua habilidade pessoal. Este estado mental permite que as pessoas realizem feitos extraordinários.

As pesquisas de Csikszentmihalyi indicam que para atingir o estado de plenitude do Fluxo é preciso que o objetivo tenha 1) metas claras, 2) oportunidades de avaliações e 3) feedbacks a cada ação executada e 4) tenha uma pressão em equilíbrio entre desafio e habilidade.

Não há uma situação ideal já que se trata de um processo contínuo de evolução. Mas idealmente as atividades que estão por vir deveriam estar nas faixas de ansiedade ou excitação. Isto demonstra que o empreendedor ainda sente um “frio na barriga” e que ainda há muito o que ser aprendido e feito. Entretanto, as atividades a serem realizadas hoje, pelo uma, deveria estar no estado de fluxo já o(a) obrigará a tirar o melhor de si. As demais, poderiam ser classificadas como controle ou mesmo, relaxamento, por que não?

Mas há situações preocupantes quando a maioria das atividades atuais e futuras está nas faixas de preocupação, tédio e, principalmente em apatia. Aqui, Mario Sergio Cortella foi preciso: “Só um imbecil gostaria de fazer o que não curte…

Marcelo Nakagawa é Professor de Inovação e Empreendedorismo do Insper, FIA, Fundação Vanzolini e Instituto Butantan.