Blog


Blog do Empreendedor
O cotidiano de empreendedores como você
Twitter Facebook Orkut
Aumentar texto Diminuir texto

Os três F’s do franchising

15 de agosto de 2017

No último artigo falei dos famosos quatro P’s do marketing e também do quinto P, o “Phranqueado”, uma particularidade do franchising que tem impacto em toda a estratégia de comunicação das redes.

Neste texto vou continuar usando as letras do alfabeto para esmiuçar o setor de franquias. Não por coincidência, acho que é minha veia de professor, que gosta de deixar tudo mais didático.

Desta vez vou falar dos três F’s.

Circulando pelo setor de franquias há tantos anos, um fato que tem chamado cada vez mais a minha atenção é que não basta uma franqueadora grande e estruturada e franqueados faturando alto para que se tenha um franchising realmente forte. É preciso sim uma (1F) – franqueadora forte, que cumpra seu papel de coach, de desenvolvedor, um (2F) – franqueado que atue de maneira que os três F’s –  franqueador, franqueado e fornecedor – estejam alinhados. É a junção de franqueadora forte, franqueado de sucesso e fornecedor competente que faz o franchising decolar. E é isso que eu chamo de 3 F’s do Franchising.

Um fornecedor mal preparado ou a incapacidade da franqueadora em fazer com que seus franqueados incorporem suas diretrizes em relação aos fornecedores pode abalar a reputação da marca e atrapalhar o crescimento da rede. Lembro de uma história que vale contar aqui.

Nos Estados Unidos, o franqueado de uma grande rede de lanchonetes decidiu usar um sabonete líquido não homologado pela franqueadora nos banheiros de sua loja. Parece algo inofensivo, certo? Mas não é. Uma criança usou o produto, teve uma severa alergia e o caso repercutiu no mundo todo.

Esse é apenas um exemplo de como um descuido com o fornecedor pode pôr em risco uma marca consolidada. Imagina, então, o estrago que não pode fazer em uma marca em construção.

Em um país como o Brasil, de dimensões continentais, escolher um fornecedor com capacidade de atendimento e entrega em todo o país é fundamental para o sucesso da rede. O fornecedor, por sua vez, precisa entender a sua importância no ciclo do franchising, entender que um atraso na entrega pode causar uma ruptura na cadeia e levar o franqueado a recorrer a fornecedores não indicados pela franqueadora. Vejo como papel fundamental do fornecedor estudar o setor de franquias para atender bem esse mercado.

As redes bem sucedidas, seja no Brasil ou no exterior, têm o tripé franqueador-franqueado-fornecedor (3F’s) forte e alinhado a um bem comum, que é o desenvolvimento do setor de franquias. É isso o que garante a entrega de um produto ou serviço de qualidade para o consumidor final e fortalece o segmento.

Denis Santini é Fundador da MD | Make a Difference, primeira agência de comunicação especializada em franquias e redes, multifranqueado e professor da FIA/Provar.