Blog


Blog do Empreendedor
O cotidiano de empreendedores como você
Twitter Facebook Orkut
Aumentar texto Diminuir texto

Mensagem para uma sociedade que tem pressa, mas não sabe onde ir

29 de dezembro de 2017

Quem eu sou neste mundo? É um grande quebra-cabeça. Eu sabia quem eu era quando acordei nesta manhã, mas eu acho que mudei tantas vezes desde então. Quão confuso são todas estas mudanças para mim. Eu nunca tenho certeza o que serei de um minuto para outro.

Eu poderia contar as minhas aventuras, mas não há utilidade em voltar ao passado porque eu era uma pessoa diferente. Por isso, eu estou sempre atrasado pensando no futuro. Mas quando mais rápido eu vou, mais para trás eu fico.

Receio que eu não consiga me entender mais, porque eu não sou mais eu, se é que me entende. Sei que não sou o mesmo que era antes. Eu era muito mais. Mas perdi um pouco deste muito mais.

Perguntam-me para onde vou com tanta pressa. Pergunto de volta sobre qual caminho deveria seguir. Depende de onde quer chegar é a resposta. Digo que não sei. Então tanto faz o caminho que devo seguir é o conselho que recebo.

Sei no que está pensando. Mas não é isso, de maneira alguma. Ao contrário. Se era assim, podia ser; e se fosse assim, seria; mas como não é, não é. Isto é lógico.

Desta forma, neste mundo sem sentido, o que nos impede de inventarmos um? A imaginação é a única arma na guerra contra esta realidade.

Mas antes é preciso seguir uma regra: Pessoas que não pensam, não deveriam se pronunciar! As coisas que as pessoas mais querem saber, em geral, não tem nada a ver com suas vidas. Se começar a acreditar em tudo que aparecer, seus músculos de crença da sua mente se cansarão e você estará tão cansado que não terá forças para acreditar nas coisas verdadeiras mais simples. Se cada um cuidasse da sua própria vida, o mundo giraria mais rápido.

Por isso, comece a ler a instruções que a vida lhe dá e, imediatamente, será direcionado para a direção certa. A primeira é: um dos segredos mais profundos da vida é que tudo que vale mesmo a pena fazer é o que fazemos para os outros.

Em seguida, seja o que você parece ser. Ou se quiser algo mais simples: Nunca imagine a si mesmo não sendo algo que deveria parecer ser para os outros que era o que você era ou deveria ter sido, que não deveria ser diferente do que você vinha aparentando para eles de qualquer forma. Desta forma, você deve falar sempre o que quer dizer. Fale a verdade, pense antes de falar e anote-a depois.

Sabendo o caminho, entenderá a pressa. Pois aqui, como vê, você tem de correr o mais que pode para continuar no mesmo lugar. Se quiser ir a alguma outra parte, tem de correr no mínimo duas vezes mais rápido!

Acha que fiquei maluco? Acho que sim. Mas deixe me dizer algo: As melhores pessoas geralmente são. Mas neste caso, eu não sou estranho, esquisito, distante e nem mesmo louco. Apenas a minha realidade é diferente da sua. Mas se limitar suas ações na vida para algo que ninguém possa ver algum fracasso, você não terá vivido muito.

Ah… mais uma coisa: Eu geralmente me dou bons conselhos, mas raramente os sigo. Mas se você acreditar em mim, eu acreditarei em você! Combinado?

Tudo é divertido se puder rir disso. E sempre é hora do chá!

Todas as frases apresentadas acima foram escritas por Charles Lutwidge Dodgson entre 1862 e 1871 e aparecem em dois dos seus livros publicados ainda no Século XIX, na Inglaterra. Aqui elas foram reorganizadas, atualizadas e interconectadas em um novo texto. Por diversas razões, inclusive a de perder a sua própria cabeça, Dodgson utilizou o pseudônimo Lewis Carroll para publicar “Aventuras de Alice no País das Maravilhas” e “Através do espelho e o que Alice encontrou por lá” (Editora Zahar, 2013).

Além de escritor, professor, matemático, fotógrafo, desenhista e exercer atividades religiosas, Lewis Carroll foi um inovador criando aparatos para escrever no escuro durante a noite, técnicas de criptografia e até jogos que depois passaram a ser conhecidos como palavras-cruzadas e o Scrabble. Mas sua maior inovação foi Alice no País das Maravilhas e sua continuação Através do Espelho. Além do texto em si, estes livros são repletos de surpresas escondidas, várias delas matemáticas, que atualmente as startups chamam de easter eggs. As edições originais só não trouxeram mais inovações visuais como a página impressa invertida (para ser lida no espelho) porque eram inviáveis técnica ou economicamente.

Curiosamente, o primeiro livro de Alice também seguiu a trajetória do que hoje é vivenciada pelas startups. Carroll criou uma estória que contou para os filhos de um amigo. Este foi seu primeiro produto mínimo viável (MVP). Diante da aceitação, foi incentivado a colocá-la no papel. Fez um rascunho (um novo MVP), incluindo alguns desenhos e enviou para outro amigo, editor de livros, que contou a estória para seus filhos. Diante do novo sucesso e retornos que teve das várias crianças que ouviram a estória, refez a estória (e os desenhos) diversas vezes até chegar ao texto final.

Sabia que o livro precisa ser ilustrado diante de tantos conceitos imaginários e fantásticos e foi atrás de John Tenniel, o melhor desenhista da Inglaterra naquele momento para criar uma experiência de leitura incrível. Quando chegou ao mercado em 1865, Aventuras de Alice no País das Maravilhas foi um sucesso arrebatador, vendendo mais de um milhão de cópias rapidamente em todo o mundo.

Mais de 150 anos depois, não são apenas as inovações de Lewis Carroll que continuam atuais, mas as mensagens dos seus livros se mantêm imprescindíveis em uma sociedade que tem pressa, mas não sabe para onde ir.

Marcelo Nakagawa é Professor de Inovação e Empreendedorismo do Insper