Blog


Blog do Empreendedor
O cotidiano de empreendedores como você
Twitter Facebook Orkut
Aumentar texto Diminuir texto

E aí, tudo bem? Tudo bem… Esta e outras mentiras verdadeiras alardeadas pelos empreendedores

4 de maio de 2018

“E aí, tudo bem?”, pergunto. “Tudo bem”, responde o empreendedor em sua apresentação.

Terminado o pitch, ele me aborda e pede ajuda para abrir portas com investidores. “Mas você acabou de dizer que está tudo bem, que o produto foi validado, que tem um time incrível, que o mercado está bombando, que captou R$ 2 milhões, que está em um escritório muito bacana…. Por que precisa de investidores?”, questiono.

Daí o semblante do empreendedor muda. “Sabe, não é bem assim. Chegamos a muito custo no break-even no mês passado, não conseguimos fechar boa parte das vendas, tínhamos 10 pessoas em tecnologia formos obrigados a reduzir para apenas duas, nossos concorrentes estão crescendo sem parar, investimos todo o dinheiro em uma solução que ainda demanda ajustes e fazemos um escambo com o proprietário do escritório…”, desabafa.

Nos últimos anos, ser empreendedor se tornou algo mítico, sinônimo de inovador, de desbravador, revolucionário e, principalmente de vencedor. Empreendedores encantam plateias contando suas trajetórias épicas, são premiados, reconhecidos, copiados e servem como inspiração para um crescente número de pessoas que acredita no sonhar grande. Mais aí vem o cesto de lixo… “Como assim o lixo?”, pergunto a um amigo que iniciou um novo negócio.

Eu era diretor de um grande banco, mas fui demitido e decidi abrir minha empresa. Durante toda a minha vida como executivo, nunca me preocupei com meu cesto de lixo. Todos os dias, pela manhã, ele estava lá, totalmente limpo e vazio. Mas agora que estou sozinho, preciso fazer tudo. Por isso, empreender para mim é ter que limpar, literalmente, seu próprio cesto de lixo. Se não fizer isso, na manhã seguinte, seu lixo ainda permanecerá lá, mas estará ainda pior.

Lembrei desta passagem enquanto o empreendedor que me abordava dizia que agora ele tinha que limpar o próprio banheiro do escritório…

Muito se tem falado sobre o lado bom de empreender e isto é fundamental para avançarmos com a cultura empreendedora do país. Precisamos, cada vez mais, de empreendedores inovadores comprometidos em criar novas e melhores soluções. Mas há o lado ruim, difícil e, muitas vezes, pouco falado, como ter que cuidar do seu próprio lixo e limpar a m. que encontra pelo caminho.

O difícil não é estabelecer uma meta grandiosa, complicada e audaciosa, é demitir pessoas quando ela não é alcançada. O difícil não é contratar funcionários excelentes, é quando esses funcionários excelentes passam a achar que têm o direito de exigir coisas que não são razoáveis. O difícil não é montar o organograma da organização que você idealizou, é fazer as pessoas se comunicarem dentro dela. O difícil não é sonhar grande, é acordar suando frio no meio da noite quando o sonho vira pesadelo.

O alerta é de Ben Horowitz, um dos mais respeitados empreendedores e investidores do Vale do Silício, não pelo seu enorme sucesso (que teve), mas pela franqueza com que aborda passagens que todos os empreendedores vivenciam, mas que não admitem em público já que sempre está “tudo bem”.

Por isso, empreendedores ou interessados no assunto também deveriam conhecer e valorizar o “Lado Difícil das Situações Difíceis”, título do livro de Horowitz. Mas também é difícil encontrar tanta sinceridade como nos livros Nada Easy, de Tallis Gomes (co-fundador da Easy Taxi e Singu), ou A Marca da Vitória, de Phil Knight, co-fundador da Nike. Knight, por exemplo, conta como mentiu, desde o início, quando falou que tinha uma empresa já estruturada nos Estados Unidos para fazer a primeira importação de tênis do Japão, das diversas vezes que convenceu seus financiadores que estava tudo bem (quando tinha caixa para apenas mais um ou dois meses) e das centenas, talvez milhares, de más decisões para manter o “tudo bem” perante todos que o rodeavam, inclusive família.

Mas voltando ao empreendedor que me pedia ajuda, cito a definição de empreendedorismo que outro amigo, empreendedor de muito sucesso costuma dizer em suas apresentações: “Empreender é mentir sem se f…”

Depois de uma boa gargalhada, o semblante dele até então derrotado, agora, tem um grande sorriso vencedor e os olhos voltam a brilhar intensamente.

“Tudo bem! Vou ajudar!”, digo enquanto o apresento, por e-mail, a amigos que são investidores.

Marcelo Nakagawa é Professor de Empreendedorismo e Inovação do Insper