Blog


Blog do Empreendedor
O cotidiano de empreendedores como você
Twitter Facebook Orkut
Aumentar texto Diminuir texto

Livros (agora e ainda por muito tempo) forjam os melhores empreendedores

16 de novembro de 2018

Se há algo que une os empreendedores mais bem sucedidos ao redor do mundo é a paixão pelos livros. Não como bibliófilos ou bibliomaníacos, mas como pessoas que querem e buscam aprender continuamente e encontram nos livros uma forma organizada, conveniente, eficiente e, muitas vezes, inspiradora de estudar algumas horas em uma agenda atribulada aquilo que demoraria semanas, anos ou mesmo uma vida inteira.

Por isso, a sugestão de um livro de um empreendedor bem sucedido implica em um resumo de sua sabedoria aprendida, muitas vezes, à custa de muitos fracassos e erros, e também de vitórias e acertos, que quase sempre não conhecidos pelo grande público. Mas, por outro lado, a sugestão diz respeito a questões específicas que podem não ter valor imediato. Quando Bill Gates publica sua lista de livros (www.gatesnotes.com/books), as vendas disparam nas livrarias. Mas o que Bill sugere nem sempre é útil para os mortais usuários de word, excel e powerpoint. Afinal, Bill Gates, aos sete anos, já tinha lido todos os 21 volumes de World Book Encyclopedia (equivalente a Barsa ou Enciclopédia Britânica) e, desde então, nunca mais parou de devorar livros. O mesmo vale para Elon Musk, o celebrado empreendedor da Tesla, SpaceX e SolarCity. Ele demorou “bem mais tempo” que Gates, pois só terminou de ler a coleção completa da Enciclopédia Britânica aos 10 anos, passando a ler cerca de 10 horas por dia durante toda a sua adolescência.

Mas não é a quantidade mas a qualidade da leitura que importa. E isto será sempre uma percepção pessoal, sendo sua compreensão e aplicação algo intrínseco àquele momento do indivíduo em particular.  Por isso, encare as listas de sugestões de livros exatamente como é: uma lista de sugestões.

A nova geração de startupeiros mais bem sucedida ao redor do mundo sempre coloca dois livros na lista entre os mais recomendados. De Zero a Um, de Peter Thiel e O Lado Difícil das Situações Difíceis de Ben Horowitz. Para quem vai empreender em qualquer negócio, mas principalmente uma startup inovadora e de base tecnológica, tanto Thiel como Horowitz mostram o lado real e nada romântico do empreendedorismo. E o resumo dos dois livros é o mesmo: eu avisei!

Entre os empreendedores mais famosos e lendários, a lista de livros que mais impactaram suas vidas se divide em obras filosóficas, que guiaram o seu modo de pensar ao longo do tempo e publicações instrucionais, que orientaram a sua forma de agir.

Entre as obras filosóficas, a primeira e mais importante influência em Steve Jobs foi o livro Autobiografia de Um Iogue escrito pelo guru indiano Paramahansa Yogananda. Jobs conheceu a obra aos 17 anos e passou a lê-lo anualmente até falecer. Dizem que era o único livro no seu iPad e os convidados para o seu funeral receberam a publicação como seu último presente. Yogananda pregava a simplicidade fortemente observada nas criações da Apple.

Outra obra também filosófica é Enéadas escrita pelo filósofo Plotino e publicada por volta de 270 d.C. Plotino é quase desconhecido no Brasil se não fosse pela constante referência que Luiz Antônio Seabra, co-fundador da Natura, dá quando explica como surgiu o conceito da Natura no momento em que a fundou em 1969. A visão holística, integrada e sustentável que consolidou na empresa, explica Seabra, é o resultado direto da inspiração que Plotino trouxe para a sua vida como um todo.

Neste contexto de influências filosóficas na gestão de empresas também entra o livro A Arte Cavalheiresca do Arqueiro Zen, escrito pelo filósofo alemão Eugen Herrigel, que foi ao Japão aprender a técnica milenar do arco e flecha. Durante meses aprendeu a respirar, ouvir o ambiente, escutar o coração sem atirar nenhuma flecha sequer. Para um ocidental que buscava praticidade e objetividade, aquilo foi uma tortura insana. Só depois que aprendeu a se conhecer, ouvir o ambiente e se comprometer, literalmente, de corpo e alma, começou a atirar. Esse é um livro constantemente indicado por Meyer Nigri, o fundador da Tecnisa.

A lista poderia ser enorme, mas termino com um livro de ciência exata que, para Elon Musk, também é filosófico.  Vários livros o influenciaram como o Guia do Mochileiro das Galáxias, mas foi em Estruturas: Ou porque as coisas não caem, do professor de ciência dos materiais e biomecânica J. E. Gordon, que Elon Musk passou a utilizar os conhecimentos de física nos negócios.

A lista de publicações instrucionais que influenciaram fortemente grandes empreendedores é ainda maior. Bill Gates explica que mesmo depois de mais de 20 anos de ter recebido a sugestão do seu amigo Warren Buffet, o livro Aventuras Empresariais, escrito por John Brooks, continua sendo o mais importante que leu em sua vida pois narra diversas situações empresariais de empresas reais que são grandes lições para qualquer tipo de negócio. Se este livro fala de erros, o livro preferido de Jeff Bezos, Made in America, escrito por Sam Walton, fundador do Walmart, fala de acertos e da importância da austeridade e também da inovação no desenvolvimento de grandes negócios. O livro de Sam Walton também marcou fortemente o início da vida empresarial de Jorge Paulo Lemann e Beto Sicupira, que escreveram o primeiro prefácio da edição em português.

Para finalizar, dois livros bastante úteis para o momento atual das empresas. O primeiro lida com a formação de equipes integradas e alto desempenho. Os 5 Desafios das Equipes, escrito pelo consultor Patrick Lencioni, é a ótima sugestão de Edgard Corona, o fundador da SmartFit para este desafio. E em momentos em que muitas organizações precisam reduzir custos e aumentar receitas, o livro Dobre seus Lucros, do consultor Bob Fiffer, é sempre lembrado como o único livro que Marcel Herman Telles, empreendedor da AB-Inbev, enviou para todos os diretores das empresas do Grupo 3G mais de uma vez.

Por mais que as tecnologias de inteligência artificial avancem e as comunicações digitais proliferem, os (bons) livros, agora e por muito tempo, ainda forjarão os melhores empreendedores.

Marcelo Nakagawa é Professor de Inovação e Empreendedorismo do Insper.

 

Corporações e startups: os dez erros iniciais (e fatais) que os empreendedores mais cometem

12 de novembro de 2018

Por mais que pareça uma grande novidade, o interesse de grandes corporações por startups está em sua quinta onda mundial e na terceira no Brasil. Em outros momentos, as grandes empresas já tinham percebido as oportunidades em interagir, fechar parcerias e investir em startups. E, como nas ondas anteriores, executivos e empreendedores retornam ao início da jornada e precisam desenvolver conhecimentos para aumentar a eficácia neste tipo de relação.

Muitos erros são cometidos e, desta forma, há inúmeras oportunidades de melhorias pelas duas partes. Entre algumas das falhas críticas que muitos empreendedores cometem logo no início da relação estão:

Não estudar (previamente) a corporação. Mas o que a empresa de vocês faz mesmo? Pergunta o empreendedor para a banca de executivos que iria ver a sua apresentação. Nem todos os empreendedores são tão estúpidos assim, mas boa parte não faz seu dever de casa prévia e adequadamente. Estudar o histórico da empresa, sua atuação, concorrentes, estratégia e, principalmente, seus desafios (lembre-se de que ela não tem problemas… tem desafios ou objetivos estratégicos!) é o mínimo que se espera de alguém que se propõe a ser um parceiro estratégico da companhia.

Não pesquisar e identificar quem são os executivos que participarão da reunião. Estamos só esperando o CEO da empresa para começar? Questiona o empreendedor ao rapaz de camisa polo, jeans e sapatênis que está ao seu lado na mesa de reunião. Se essa é a sua preocupação, já podemos começar. – Responde o rapaz ao empreendedor que ainda não entende o sarcasmo. Nas corporações mais modernas, que aderiram à informalidade nas relações, é impossível para um forasteiro saber quem é quem na hierarquia organizacional, mesmo porque, o CEO se mistura ao seu time, não apenas fisicamente, mas em opiniões e discussões. Custa pouco pedir antecipadamente a lista de quem estará presente e pesquisar no Linkedin. Mas sai muito caro não saber com quem está falando na firma.

Não identificar qual é o desafio da corporação que sua startup resolve. Nem tinha me tocado que minha startup poderia resolver o problema dessa corporação desse jeito… – Relata o empreendedor. Muitos empreendedores se cegam fascinados pela inovação que estão desenvolvendo e não conseguem vislumbrar que sua solução seria muito útil em outros desafios empresariais aparentemente desconexos.

Não identificar rapidamente qual executivo irá ajudar a bater a meta. Não existe relação grande empresa e startup. O que há são executivos se relacionando com empreendedores. Se nenhum executivo entender que a startup o(a) ajuda a bater meta, a relação não irá adiante.

Portar-se arrogantemente como empreendedores e não executivos. É um paradoxo. A corporação diz querer inovar com startups, mas seus executivos buscam uma solução segura que não arrisquem seus empregos e a empatia é imediata quando o empreendedor também age e se porta como um executivo.

Não contextualizar e caracterizar a (grande) vantagem competitiva que se consolidará pela parceria. Ah, inclusive já atendemos seu principal concorrente! Diz o orgulhoso empreendedor tentando demonstrar que sua solução já foi validada pelo mercado. E depois, na saída reclama: Acho que eles não entenderam a solução…

Chamar mais a atenção do que a solução da sua startup. Roupa amassada, camiseta velha, jeans sujo, saia muito curta, computador com adesivos polêmicos, piadas inoportunas, cheiro de suor e até falta de higiene bucal. Não tudo isso ao mesmo tempo e (ainda bem) são exceções.

Não entender a lógica da PoC. Fechar uma parceria com uma startup é, em boa parte dos casos, um enorme risco não só para a imagem da corporação (que pode chegar a bilhões de reais) mas para o executivo que toma a decisão. Quando se contrata um grande fornecedor e o projeto dá errado, a culpa é do fornecedor. Quando se contrata um pequeno provedor, a culpa é de quem? Por isso, as grandes corporações criam uma fase de prova de conceito (que muitos empreendedores odeiam) em que a startup será validada em diversos aspectos, inclusive o comprometimento e a capacidade de execução dos empreendedores e a escalabilidade da solução.

Não compreender que a corporação é rica, mas o departamento é pobre. As grandes empresas que faturam milhões ou bilhões de reais podem parecer imponentes, mas seus departamentos sobrevivem de orçamentos restritos aprovados no ano anterior. Cada real gasto foi previsto e enxugado até o último centavo possível. Por mais que o contrato seja celebrado com a grande empresa, o recurso sairá de um departamento com orçamento de média ou até pequena empresa.

Não (saber) lidar com o jogo do Fácil-Sim. A negociação entre corporação e startup é finalizada, invariavelmente, com um sim ou um não. Este sim ou não pode ser fácil ou difícil. Não raro, a solução inovadora, escalável, disruptiva vislumbrada pela startup para a corporação será um difícil sim ou, mais provavelmente, um difícil não. A “empresa” até entente o potencial de inovação, mas o “executivo” não arriscará seu bônus do ano e até sua carreira nesta “aposta”. Cabe ao empreendedor levar a negociação para uma proposta simples, barata e com pouco risco para a empresa. Esta é a solução Fácil-Sim que será validada na PoC. Uma vez dentro da corporação, já tendo validado a solução e a capacidade de execução, aí sim, aquela solução inovadora, escalável, disruptiva começará a fazer mais sentido.

Mas de todas as falhas cometidas pelo empreendedor na sua relação com a corporação, as mais graves são as que ocorrem depois: dizem que não aprenderam nada com o processo, reclamam da perda de tempo e ainda não expandem sua rede de relacionamentos.

Marcelo Nakagawa é Professor de Inovação e Empreendedorismo.

Ah… e tem mais uma coisa: Inovação é meio, se não, será o fim

2 de novembro de 2018



Nas memoráveis apresentações anuais dos lançamentos da Apple conduzidas por Steve Jobs, a plateia aguardava ansiosa pela parte final em que Jobs fazia uma pausa e anunciava: Ah… e tem mais uma coisa! Os presentes no auditório urravam com este aviso. A maior e mais secreta inovação da Apple seria apresentada em alguns segundos. Sigilo, foco no cliente e vendas maiores do que no período anterior eram cuidadosamente orquestrados por todos na empresa e aquele momento não era o fim, mas o meio para se construir mais um ano memorável.

Ser inovador ou algo ainda pior, parecer inovador, tornou-se um mantra entre muitos líderes executivos. Suas organizações lançam iniciativas pomposas, contratam consultores com discursos rasos com teor bombástico e apocalíptico, começam a pregar inovações radicais e exponenciais e divulgam todas as suas intenções, passos e projetos de inovação nas redes sociais pois querem parecer inovadores. Seus concorrentes mais tolos irão correr para lançar iniciativas ainda mais pomposas, com consultores (agora internacionais) ainda mais bombásticos e apocalípticos e a briga por quem cospe mais longe se acirrará. Porém, seus concorrentes mais inteligentes adorarão saber quais são as estratégias de inovação do competidor que publica tudo na internet.

Como inovação se tornou um fetiche de muitas corporações, a primeira questão que, quase sempre, levantam é como inovo? Crio uma aceleradora de startups como meu concorrente ou lanço um laboratório de inovação como o outro fez? Faço um hackathon ou uma sessão de design thinking? Levo a área de inovação da empresa para um coworking ou construo um próprio?

Essas dúvidas são inócuas quando há uma questão anterior que direcionará todas as outras: Por que inovar? Muitas corporações não têm a mínima noção sobre como responder esta pergunta. Nos casos mais grotescos, a resposta implícita é porque meu concorrente está inovando. A melhor resposta deveria estar associada à construção de um futuro mais próspero para a empresa em um ambiente de negócio cada vez mais caótico, incerto e tecnológico. Em casos mais graves e urgentes, a resposta diz respeito a própria sobrevivência da companhia.

 

Muitas corporações não sabem por que querem (ou precisam) inovar pois seus dirigentes enxergam o futuro olhando para o passado e seus executivos concentram-se em garantir o bônus do ano. E estão racionalmente corretos. Em 2007, a Nokia rumava para ser a primeira corporação a atingir um bilhão de clientes com seus telefones celulares inovadores. Sua participação de mercado era maior do que a somatória de todos os demais concorrentes. Ela se preparava para ocupar a China, o maior mercado emergente do mundo. E seu concorrente mais inovador ainda era pequeno e tinha um peculiar nome de fruta. Se fosse executivo da Nokia naquele momento teria certeza de que a empresa estava no caminho correto e saberia qual fruta era essa.

Pouco mais de uma década depois, muitos sabem o que aconteceu com a Nokia e têm certeza absoluta do nome da fruta. Mas em uma década, diversas outras corporações do mundo se tornaram Nokias. Como muitas ainda não sabem disso, acreditam que a inovação é um fim em si mesma, por isso, gostam de alardear publicamente suas iniciativas de inovação. Mas as empresas mais inovadoras do mundo, segundo o ranking publicado pela revista Fast Company, como a Apple, Netflix, Tecent e Amazon não divulgam iniciativas, mas “acabativas” de inovação quando a concorrência já foi deixada nitidamente para trás.

Organizações e executivos que não percebem que a inovação é um meio, encontrarão, invariavelmente, seu fim, pois não entregarão os resultados esperados por qualquer companhia: aumento de vendas, redução de custos, incremento do valor ou fortalecimento do seu propósito de existir.

Ah… e tem mais uma coisa: A fruta que a Nokia achava que era sua concorrente inovadora não era uma maçã, mas uma amora.

Marcelo Nakagawa é Professor de Inovação e Empreendedorismo do Insper

Amazon.com x Livraria Cultura: Quando o sucesso de um não é construído sobre o insucesso da outra

26 de outubro de 2018

Vista da Livraria Cultura no Conjunto Nacional, em São Paulo. Foto: Amanda Perobelli / Estadão

Esta semana, a querida Livraria Cultura entrou com pedido de recuperação judicial. A livraria já havia fechado suas belas unidades de Recife e do Rio de Janeiro, além de todas as unidades da Fnac. Ainda na semana passada, visitei a unidade da Avenida Paulista em busca do livro “Measure What Matters” escrito pelo investidor John Doerr. Tinha visto o livro no site brasileiro da Amazon.com que custava R$ 89,41 e o prazo de entrega prometido era de dois dias.  Mas, como estava perto da Cultura, resolvi passar para tentar a sorte de, talvez, encontrá-lo. Depois de esperar um pouco pelo atendente, ele consulta no sistema e explica: Olha, não temos para pronta entrega, mas podemos encomendar. Vai custar R$ 148,00 e o prazo de entrega é de 6 semanas. Deixei a livraria triste e confuso, como se estivesse saindo da The Shop Around The Corner, a pequena livraria do filme Mensagem para Você (1998) em que a personagem da Meg Ryan, dona do negócio, enfrenta o personagem de Tom Hanks, proprietário da rede Fox Books, que instala uma das suas megastores, semelhante às da Cultura e Fnac, na mesma região.

No filme, apesar da tensão e rivalidade entre a pequena livraria e a grande rede, ambos tinham o mesmo objetivo: atender muito bem seus clientes. A primeira reação da dona da livraria foi desprezo, pois ela acreditava que a grande rede iria dar atendimento impessoal e descompromissado da grande rede, já que ela tinha uma pequena, mas dedicada equipe que conhecia todos os seus clientes há anos. Mas ela se surpreende ao perceber o alto nível de qualidade e atendimento que as crianças também recebiam na megastore quando visita a loja. No filme, ela não consegue competir e fecha as portas do seu negócio, mas seu final é feliz (spolier) com Joe Fox, o personagem de Tom Hanks.

Vinte anos depois do filme ter sido lançado, agora, curiosamente, são as megalojas que se tornam o The Shop Around The Corner em função da onipresença de uma rede maior ainda. Neste caso, a Amazon.com. Por isso, estava triste ao sair da Livraria Cultura, pois sempre fui bem atendido. A loja é ampla, linda e bem planejada. Mas também estava confuso, pois sempre tive um atendimento impecável da Amazon. Mas esta é a minha visão de cliente.

Como negócio, a relação entre a Livraria Cultura e Amazon.com é emblemática e muito didática, porque ilustra os novos e complexos desafios das empresas tradicionais quando lidam com concorrentes digitais que não jogam o mesmo jogo. Para piorar, as empresas tradicionais não apenas querem continuar jogando o mesmo jogo, como nem desconfiam qual é novo jogo do seu concorrente.

Fundada em 1994, a Amazon.com só se posicionou como uma livraria nos primeiros quatro anos, quando saltou de um faturamento de US$ 1 milhão no primeiro ano para US$ 610 milhões em 1998. Depois, se declarou como a loja de tudo e em seguida, como a empresa de tudo. Em 2017, a Amazon ofertava três bilhões de opções de produtos. Isso sem considerar os serviços digitais que empresa também oferece.

Este número parece e é megalomaníaco, por isso, quando iniciou o negócio, muitos riram da missão da empresa que Jeff Bezos, seu fundador, tinha estabelecido: “Ser a empresa mais centrada no cliente da Terra, onde podem encontrar e descobrir qualquer coisa que desejem comprar on-line, e se esforçar para oferecer a seus clientes os preços mais baixos possíveis”. E como se este propósito não fosse grande o bastante, Bezos, em 1998, foi um dos primeiros investidores de outro negócio, o Google, que tinha uma missão ainda mais delirante: “Organizar a informação do mundo e transformá-la em algo acessível e útil”.

Por isso, enquanto muitos entendem a Amazon como competidora das livrarias tradicionais, Bezos construiu sua empresa a partir de uma outra escolha: “Se é focado na competição, sempre precisa esperar que o competidor faça algo. Ser uma empresa focada no cliente permite ser sempre mais pioneiro.” Assim, “seja obcecado pelo cliente, não pela competição” – explica.

Não por acaso, o livro A Loja de Tudo: Jeff Bezos e a Era da Amazon (Ed. Intrínseca, 2014) começa com uma das suas frases mais inspiradoras e provocantes: “Quando você tiver oitenta anos, num momento tranquilo de reflexão e narrando para você mesmo a versão mais particular da sua história de vida, a parte mais compacta e significativa será a série de escolhas que você fez. No fim das contas, nós somos as nossas escolhas”. E complementa: “Trabalhe duro, divirta-se e faça história!

Sobre a querida Livraria Cultura, espero que escolha ser mais cultura! Este é um jogo em que o Brasil não pode continuar perdendo.

Marcelo Nakagawa é professor de Inovação e Empreendedorismo do Insper.

 

Relação grande empresa e startups: 90 anos de modismos, erros e acertos

22 de outubro de 2018

Cresce exponencialmente o número de iniciativas de grandes corporações que buscam parcerias com startups. Nas reuniões de conselhos de administração e encontros informais de executivos de alto escalão, o assunto é tema recorrente. Quando sua empresa não tem algo neste sentido, você se sente meio deslocado – diz um amigo, vice-presidente de uma das maiores empresas brasileiras de commodities.

Anunciada como uma das maiores inovações corporativas dos últimos tempos por futuristas, consultores do apocalipse e oportunistas corporativos, a parceria entre grande empresa e startups já está na sua quinta onda mundial. Ainda em 1928, quando a Ford já era um imenso conglomerado industrial, dois jovens empreendedores, Paul e Joseph Galvin, que tinham fundado a Galvin Manufacturing Corporation, entraram em contato com a empresa para apresentar a inovação que tinham desenvolvido: um auto rádio. Vendo uma enorme oportunidade de se diferenciar, a Ford apoiou o negócio, que passou a crescer vertiginosamente. Percebendo o enorme mercado automobilístico, os irmãos Galvin mudaram o nome da empresa para Motorola.

Mas a excitação atual com a agilidade e capacidade de inovação das empresas de menor porte era a mesma na década de 1960. Cerca de 25% das maiores empresas citadas na Fortune 500 tinham iniciativas assim. Mas a animação de corporações como Boeing, Dow, Exxon, Heinz e Monsanto durou, até 1973, quando as bolsas sentiram a primeira crise do petróleo. O hype com as startups voltou depois na década de 1980, até o novo crash da Bolsa de Nova York em 1987, na década de 1990, com a bolha das startups pontocom e, novamente, na década de 2000, quando 20% da lista da Fortune 500 tinham iniciativas com startups. A paciência da alta direção das companhias com startups sempre durou muito pouco. O tempo médio de vida das iniciativas de grandes empresas com startups tem girado em torno de 12 meses, explica o Professor Josh Lerner da Universidade de Harvard em artigo publicado em 2013.

Agora, vivemos a quinta onda das parcerias entre grandes empresas e startups. Além da euforia que marcou as anteriores, há um novo elemento: o enorme impacto que a Quarta Revolução Industrial tem sobre qualquer tipo de negócio. Muitos executivos, em especial as principais lideranças de muitas organizações, ainda não perceberam que a revolução não é tecnológica, mas de novas dinâmicas organizacionais, novos modelos de negócio e novos hábitos de consumo que são alavancadas por essas novas tecnologias de impacto exponencial.

Assim como no passado, boa parte das iniciativas de grandes empresas com startups desaparecerá anonimamente, muitas serão reformuladas e muita gente ficará frustrada e, provavelmente, sem emprego.

Mas sempre há casos de acertos! De todas as iniciativas de relação grande empresa e startup, talvez a mais emblemática, mas curiosamente pouco conhecida, seja o da Naspers. Fundada em 1915 na África do Sul, a empresa se tornou o maior conglomerado de mídia tradicional do país e reinou absoluta no Século XX. Mas em 2001, a Naspers fez duas apostas em uma, internet e China: investiu U$ 60 milhões para adquirir cerca de 30% de uma pequena startup chinesa chamada Tencent, cujo objetivo inicial era criar um modelo de negócio para ganhar 10 centavos de cada chinês. Pouco menos de 20 anos depois, a Tencent vale US$ 360 bilhões e a participação da Naspers, cerca de US$ 110 bilhões. Mas, curiosamente, o valor da Naspers em si na bolsa sul-africana é de aproximadamente US$ 80 bilhões. Se seus negócios do Século XXI valem tanto, quanto vale os do século passado?

Marcelo Nakagawa é Professor de Inovação e Empreendedorismo do Insper.

Desisti do Brasil… E eu vou falar o quê?

5 de outubro de 2018

Eu já sabia que ele tinha se mudado para os Estados Unidos. Tinha me avisado que estava criando uma empresa lá. Ele fora meu aluno e tinha criado uma empresa muito bem-sucedida no Brasil. Por acaso, duas semanas atrás, eu tinha conversado com um funcionário de uma empresa que revendia seus produtos: Esse produto é muito bom! Vende muito aqui! – disse o rapaz.

Fiquei muito feliz com este depoimento espontâneo.

Então, quando ele me enviou um WhatsApp dizendo que estava no Brasil e queria tomar um café comigo, arranjei um espaço na agenda e o encontrei no mesmo dia.

Gostaria de receber algumas dicas suas sobre como empreender nos Estados Unidos? – disse ele.

Como assim? – perguntei. Sou que aprendo com você! Eu só organizo e repasso para outras pessoas o que aprendo com empreendedores como você… – continuei.

Não, é que estou começando do zero lá e gostaria de receber algumas dicas. – explica.

Depois de ter discutido alguns aspectos do seu mercado nos Estados Unidos, conversado sobre algumas startups que estão fazendo muito sucesso e ficado de repassar alguns contatos na sua área, noto que não aparentava estar tão feliz indo para os Estados Unidos, o maior mercado do mundo.

E ele explica que decidiu repassar sua empresa no Brasil após inúmeras decepções, humilhações e insegurança física no país. E ele começou a listar…

Certa vez, enviei uma carga para o Rio Grande do Sul, e como é obrigatório arcar com o imposto antes, paguei cerca de 10 mil reais. Mas chegando lá, a empresa não quis receber a carga porque o pedido ainda não havia sido processado pelo sistema deles. O caminhão teve que voltar. Mas depois, na segunda tentativa, tive que pagar um novo imposto antecipado porque a data havia sido alterada. Pedi o estorno dos 10 mil reais iniciais, mas dois anos depois, nada foi depositado ainda.

Em outro caso, o comprador de um grande cliente me chamou para uma reunião às sete da manhã. Os funcionários nem haviam chegado, e ele, muito agressivamente, disse que precisava bater a meta de redução de custos e já tinha tirado o nosso produto do mercado e só recolocaria se reduzíssemos drasticamente nossos preços.

Essa mesma empresa (que agora diz que ajuda empreendedores) pagava só uma parte das vendas que tínhamos feito. Se vendêssemos um milhão de reais, ela pagava 700 ou 800 mil. Poderíamos processá-la e aí, além de ter a chance de não receber os 200 ou 300 mil devidos, ainda perderíamos mais de um milhão em vendas.

E isso acontece toda a semana… Certa vez, enviei uma pequena carga de uns mil reais para uma distribuidora. No dia e horário combinado, havia várias outras entregas atrasadas e o motorista teve que esperar três dias e dormir na cidade. Gastei quase quatro mil reais para, depois, tentar receber mil reais.

E se não bastasse o governo, os clientes, ainda tem os funcionários. Um antigo funcionário desviou mais de 300 mil reais. Ele descobriu a senha do banco e fazia pequenas transferências para um laranja, mas forjava extratos e controles. Como você nunca sabe quanto o cliente está, de fato, depositando, quanto e quais impostos estão sendo pagos, ou pior, sendo pagos novamente, o controle financeiro da empresa é sempre uma grande dor de cabeça. Por isso, tínhamos contratado o melhor profissionais entre os mais de 40 que entrevistamos. Mas um dia, o gerente do banco ligou dizendo que a conta estava negativa. Como assim negativa, se tínhamos dinheiro lá. Quando descobri, liguei para o advogado que alertou que, em nenhum momento, era para acusar o funcionário. Em casos assim, além de, talvez, não conseguir reaver o dinheiro, ainda seria processado pelo funcionário e teria que indenizá-lo. Naquela noite, o funcionário entrou no escritório, limpou sua mesa e todos os dados do seu computador e nunca mais apareceu para trabalhar… Ele sabe tudo da minha vida. Eu tenho família, filhos pequenos…

Mas e nos Estados Unidos? – pergunto.

Lá a palavra vale. O que combinado é cumprido. Se digo que falei com tal pessoa no dia anterior e vim para fazer uma entrega, eles acreditam. Todos os pagamentos são eletrônicos e o que está na nota fiscal é pago integralmente. Se há algum problema no valor, é possível enviar uma nota fiscal com valor negativo e o ajuste é feito instantemente.  E se faz alguma coisa errada, você é preso. A lei funciona…

Despeço-me dele, combinando de visitá-lo logo!

Marcelo Nakagawa é Professor de Empreendedorismo e Inovação

 

 

 

 

Você seria recontratado para a sua função atual? Cinco automatizações para sempre responder sim para esta questão!

28 de setembro de 2018

Imagine uma situação hipotética caso esteja empregado atualmente e venha atendendo, pelo menos satisfatoriamente, as expectativas da organização: Considerando que ninguém o conhecesse na empresa, você seria contratado para exercer sua função atual? Você seria o profissional para não só fazer o que faz atualmente, mas contribuir com que a empresa consiga superar os grandes desafios que enfrentará nos próximos anos?

Se tiver plena certeza que seria contratado, quais são os principais desafios que as empresas do ramo em que atua estão enfrentando atualmente? Quais são as grandes disrupções que tornarão não só a sua empresa, mas também a sua função obsoleta? O que vem sendo exigido dos candidatos que concorrem a vagas semelhantes a sua? O que está acontecendo na sua empresa e nas outras do seu mercado que deveria saber? E se puder responder mais uma última questão: quais são os negócios mais inovadores do mundo no setor ou função que atua?

Manter-se atualizado é um desafio de qualquer profissional em qualquer área, função ou nível hierárquico, mas pode ser mais simples do que muitos imaginam se programar cinco automatizações.

Primeiro: passe a seguir no Linkedin todos os principais executivos das principais empresas do seu setor no Brasil e no mundo. É algo muito rápido, simples e passará a receber atualizações profissionais de postagens, shares e likes de quem pensa estrategicamente o mercado em que atua.

Segundo: domine o Google Alertas. Crie alertas com palavras-chave que descrevam a sua função e associe com outros termos como vaga, emprego, candidato, etc. Esta ferramenta do Google enviará uma mensagem para você sempre que algo novo com estes termos aparecer na web. Assim, também aprenda a utilizar os recursos combinatórios utilizando “e” (and) e “ou” (or), por exemplo. Neste caso, sempre poderá estar atento sobre as competências, habilidades e atitudes que as empresas estão buscando para preencher vagas como a sua. Também pesquise se a sua função evoluiu e aparece com outros termos. Crie outro alerta com os nomes das empresas concorrentes. Depois crie mais um alerta com termos que definem o seu mercado (tanto em português como em inglês) com os termos startup e milhões (e million, em inglês). Este alerta começará a trazer notícias de startups da sua área que estão recebendo investimento de “milhões” de reais ou dólares. Ficará impressionado com a quantidade de startups inovadoras que estão sendo investidas ao redor do mundo. Neste caso, é uma oportunidade para conhecer quais são as principais inovações disruptivas do seu mercado ou função.

Terceiro: newsletter é quase algo pré-histórico na internet, mas todas as principais publicações ainda oferecem este recurso. Defina quais são as três, quatro ou cinco publicações mais importantes do seu setor ou função, assine suas newsletter e tome o cuidado para que não caia na sua lista de mensagens não solicitadas na caixa de e-mails. Assine newsletters de eventos e cursos relevantes também. De vez em quando, aparecem boas oportunidades que você não deveria perder!

Quarto: descubra e participe de um ou dois grupos de Whatsapp ou Telegram que são os mais importantes da sua empresa, mercado ou função, deixando-os no silencioso. Há muita coisa inútil, mas é importante zapear de vez em quando para ter uma noção sobre o que está acontecendo. Também verifique se o aplicativo Blind (www.teamblind.com) já está sendo utilizado na sua empresa. É uma espécie de rádio peão anônima.

Quinta: por fim, aprenda, de uma vez por todas, a utilizar o aplicativo Flipboard (www.flipboard.com). É uma das formas mais agradáveis e práticas para se manter informado sobre seus temas preferidos e visualizar informações de outras fontes que utiliza com frequência.

Marcelo Nakagawa é Professor de Inovação e Empreendedorismo do Insper.

 

Quer subir? Então pare de ficar apertando o botão ‘descer’ do elevador!

25 de setembro de 2018

A situação é sempre a mesma. Você pega o elevador rumo ao subsolo onde está seu carro. Mas passando pelo piso térreo, o elevador para e abre as portas.  Um rosto meio sem graça aparece e pergunta: “Ah… tá descendo, né?”.  Você solta um grunhido parecido com o que os seus olhos já tinham respondido.

Por que há tantas pessoas que apertam o botão “descer” quando, na verdade, querem subir na vida? E por que continuam fazendo isso? Como chamar uma pessoa que faz a mesma coisa esperando resultado diferente?

E isso não é válido apenas para os elevadores, mas também para suas trajetórias de vida.

Quantas pessoas querem pegar o elevador do estudo? Mas ficam reclamando que não tem oportunidades. Até aos 36 anos, Gladys Mariotto era dona de casa em Curitiba quando se divorciou. O que faria se ficasse sem recursos financeiros, fonte de renda e ainda tivesse dois filhos para criar? Ela foi trabalhar e começou uma faculdade. Quatro anos depois, aos 40 anos, já formada, fez outra faculdade, um mestrado e um curso de especialização ao mesmo tempo. Quase aos 50 anos, fez outra especialização e logo em seguida começou um doutorado. Como sempre teve muito pouco tempo para estudar já que conciliava seu trabalho, seu papel de chefe de família e, principalmente, de mãe, acabou desenvolvendo um novo método eficaz de estudo que não só a ajudou como também aos seus filhos. A partir desta inovação, ela fundou a JáEntendi, uma premiada startup que, inclusive foi acelerada no Vale do Silício, atua com capacitação profissional para pessoas da base da pirâmide social.

Quantas pessoas aguardam o elevador de um melhor emprego? Mesmo tendo uma excelente formação acadêmica, três MBAs no currículo e bom desempenho profissional não impediram que Tatiana Pimenta fosse desligada da multinacional que atuava em São Paulo. A crise econômica em 2015 agravou de tal forma os resultados da sua empregadora que a reestruturação das operações no Brasil era uma questão de tempo. E ela recebeu a notícia no mesmo dia em que seu pai foi diagnosticado com câncer. O lado bom da situação é que agora ela tinha mais tempo para ficar ao seu lado. Neste período, Tatiana descobriu a dificuldade, principalmente de pessoas em regiões mais distante da capital, do acesso a profissionais de saúde. Depois entendeu que mesmo nas grandes cidades havia dificuldades semelhantes. Seu pai conseguiu se tratar, mas ela continuou com isto na cabeça e decidiu não mais voltar para o mercado executivo. Meses depois, fundou a Vittude, um serviço que conecta psicólogos com pessoas que buscam um e não sabem como escolher ou que não conseguem se deslocar ao consultório.

Quantas pessoas ficam apertando o botão “reclamar” para chamar o elevador de um mundo melhor? Até 2009, Ana Fontes era executiva do mercado automobilístico no Brasil, mas o tratamento dado às mulheres sempre a incomodou, não apenas nas grandes corporações mas principalmente para as mulheres que iniciam seus próprios negócios.  E por mais que houvesse inúmeros programas de apoio ao empreendedor, ninguém olhava a mulher empreendedora em todas as suas dimensões, desafios e desejos. No ano seguinte, Ana fundou a Rede Mulher Empreendedora, uma plataforma que apoia mais de 300 mil mulheres empreendedoras em todo o País.

Há outros milhões de botões que estão sendo apertados neste momento. Mas enquanto estas pessoas continuarem apertando o botão “descer”, continuarão onde estão.

Quer subir na vida, mas o elevador está demorando? Vá de escada!

Marcelo Nakagawa é Professor de Inovação e Empreendedorismo do Insper.

 

Por que a empresa mais inovadora do mundo contraria as principais práticas atuais de inovação?

14 de setembro de 2018

AP Photo/Marcio Jose Sanchez

Há muitos anos, setembro é o momento da empresa mais inovadora do mundo, de acordo com o ranking da revista Fast Company, anunciar seus lançamentos. E é isso que Tim Cook, CEO da Apple tem feito desde 2011. Quando assumiu, praticamente todos questionavam se Cook conseguiria manter o incrível crescimento liderado por Steve Jobs desde o seu lendário retorno à empresa que tinha fundado e posteriormente havia sido demitido. O discretíssimo Cook pegou uma empresa vitoriosa que valia cerca de US$ 330 bilhões e, inacreditavelmente, triplicou seu valor, rompendo a barreira de ser a primeira organização do mundo a valer mais de US$ 1 trilhão em 2018.

Por atingir esta marca, tida por muitos como uma missão impossível, o evento especial de lançamento dos novos produtos da Apple em 2018 era especialmente aguardado. E logo na abertura do evento, os primeiros cinco segundos da música do filme Missão Impossível já dava uma sensação confusa em quem acompanhava a transmissão. Seria algo inovador ou só mais um clichê? No filme, uma moça, aparentemente uma funcionária da Apple, corre para o auditório com uma maleta, enfrentando diversos obstáculos. Depois de ignorar a sugestão da Siri, a assistente virtual da empresa e ultrapassar várias barreiras, consegue entregar a maleta à Tim Cook. É revelado então o grande segredo que havia dentro da maleta: um antiquado passador de slides. Cook pega o clicker, entra no tablado, o evento começa e ele pergunta para a plateia: O vídeo não é divertido?

Desde que Cook se tornou o principal executivo da empresa, a Apple vem sendo questionada sobre sua real capacidade de inovação já que, quase sempre, seus concorrentes já haviam lançado antes soluções semelhantes. Mas quem conhece a trajetória da empresa, sabe que a empresa sempre agiu desta forma. E mesmo assim, a empresa fundada por Steve Jobs sempre foi considerada inovadora.

E mesmo sendo a empresa mais inovadora do mundo, a Apple contraria boa parte das principais práticas de inovação que está sendo adotada, em larga escala, pelas organizações que querem ser inovadoras.

O primeiro paradoxo diz respeito à inovação radical, fetiche de um número crescente de empresas ao redor do mundo que querem se transformar em organizações exponenciais. “Nunca tivemos vergonha de roubar grandes ideias...” – dizia Steve Jobs ao citar a frase de Pablo Picasso, um dos seus ídolos: “Bons artistas copiam, grandes artistas roubam…

Como ser radicalmente inovador, copiando os outros? De forma muito sincera e corajosa, Tim Cook explica: “Você pode escolher qualquer um dos nossos produtos – iPod, iPhone, iPad, Apple Watch – eles não foram os primeiros, mas foram os primeiros modernos, certo?

Outro paradoxo diz respeito às abordagens de Lean Startup, Design Thinking e outras técnicas de cocriação com clientes. Enquanto há um movimento crescente de inovação aberta, a Apple se fecha e quase nada é conhecido pelo mercado antes do evento anual de setembro. Tudo é feito dentro da empresa. “Porque não acreditamos em usar nossos clientes como um laboratório.” –  explica Cook.

Além disso, outro contrassenso diz respeito a aumentar a velocidade do desenvolvimento de inúmeras inovações ao mesmo. “Não queremos que nosso pessoal se concentre em bits, bytes, entregas parciais ou em ser veloz…” – esclarece Cook. “É preciso ter certeza que você está focado naquilo que realmente é relevante… O que eu acho que nós temos e que é único é paciência. Nós temos paciência para esperar até que algo seja grandioso antes de enviar para o mercado” – continua.

E, por fim, outra aparente contradição diz respeito ao alarde do domínio das novas tecnologias. “Nós somos um grupo de pessoas que está tentando mudar o mundo para melhor, isso é o que nós somos. Para nós, a tecnologia está em segundo plano.” – declara Cook.

Por isso, a receita contraditória de inovação e bons resultados da Apple é resumida na crença deste líder que acha engraçado um filme sobre um passador de slide: “Para mim, isto diz respeito a produtos e pessoas. Nós fizemos o melhor produto e tornamos a vida das pessoas melhor? Se nós estivermos fazendo estas duas coisas e, obviamente, se elas estiverem incrivelmente conectadas, porque uma leva à outra, então, teremos um bom ano.”

Marcelo Nakagawa é Professor de Inovação e Empreendedorismo do Insper.

 

Em um momento com tantas Kodaks, uma entrevista com Steve Sasson, o funcionário da Kodak que inventou a câmera digital

10 de setembro de 2018

Muito se fala em transformação digital e inovação radical atualmente, mas poucos são os que verdadeiramente se aprofundam nas lições de quem já passou por isso. Dos que citam a Kodak, quase ninguém sabe quem foi e por isso não cita Steve Sasson.

É fácil falar mal da Kodak, depois de tudo o que aconteceu. Mas, George Eastman, seu fundador, foi um dos maiores empreendedores de todos os tempos e seu legado mais importante ainda é um dos principais líderes mundiais de, curiosamente, transformação digital e inovação radical.

Para quem não conhece Steve Sasson, traduzi, a seguir, uma entrevista que ele deu para HEC Paris Business School e Presans no início deste ano. Seus ensinamentos, de 40 anos atrás, são gritantemente atuais para os líderes e a média gerência de centenas, talvez milhares, de kodaks atuais.

Olhando para trás, qual foi a principal razão pela Kodak não ter adotado a sua invenção?

Quando eu demonstrei a fotografia digital para a empresa em 1976, a tecnologia ainda estava muito imatura e os questionamentos não eram necessariamente sobre como isto funcionava, mas por que alguém iria gostar deste tipo de fotografia. Porque não tinha nenhuma relação com a compreensão da época sobre fotografia. Era o mesmo dos últimos 100 anos.  Por exemplo, a fotografia digital não envolvia revelação em papel e eles acreditavam que todo mundo queria a fotografia em papel, entende. Ninguém queria ver suas fotos eletronicamente. Então, eles permitiram que trabalhássemos tecnicamente no projeto. Trabalhei continuamente em fotografia digital desde 1975. Na Kodak, eu não poderia falar para ninguém sobre isto. Depois, outras pessoas começaram a trabalhar nesta iniciativa, mas nada poderia se tornar público, porque nós queríamos manter a percepção de que o papel fotográfico era a melhor forma de imagem.

Você foi um visionário com um olhar de 15 anos para frente, pode descrever as diferentes fases deste período?

Em 1975, eu mostrei o sistema fotográfico, que funcionava. Havia um sistema integrado de fotografia digital. Nós mostramos as fotos na tela que tiramos em uma sala de escritório muito parecida com essa. Isso funcionava, mas soava tão estranho que eles não levaram a serio. Mas nos deixaram continuar trabalhando nisso. Mas isso se tornou importante em termos de investimento para a companhia quando a Sony anunciou a Mavica, uma abordagem alternativa, em 1981. Mas eles (Sony) não conseguiram viabilizar isto de forma prática durante muitos anos, mas anunciaram que estavam entrando no mercado de fotografia. E nada coloca mais medo na diretoria que um novo e poderoso competidor. Assim, em 1981, nós conseguimos muito mais recursos para conduzir diferentes projetos. Nós abrimos diferentes subdivisões que eram dedicadas à área de imagem digital. Havia muitas mudanças organizacionais já que as companhias adoravam fazer reorganizações. OK, mas em essência, nós investimos ao longo da década de 1980 nesta tecnologia, mas fizemos muito poucas demonstrações. Só em 1990 começamos, de verdade, a ir para mercados de nichos com um esforço específico de marketing, tentando entender se as pessoas demandariam uma câmera digital. E eles quiseram! Foi o que disse para você antes… Eram aqueles diferentes mercados que abordamos naqueles cinco anos iniciais perambulando no deserto… Persistimos. E então, depois de dez anos conseguindo algum apoio, principalmente por ameaças externas, as coisas começaram a parecer viáveis. Isto já não era por uma ameaça externa, mas porque parecia viável para a Kodak.

Pode explicar como era a concorrência naquele momento?

Quando eu me juntei à Kodak, eu diria que éramos o fornecedor dominante no mundo e a competição era muito limitada. Nós tínhamos obviamente alguma competição da Fuji e Agfa, mas para ser franco, a barreira para entrar e fabricar filmes fotográficos era muito grande. Era muito complexo fazer tudo. Todos os equipamentos eram especialistas, especializados e quase tudo era protegido por segredos industriais. Não era uma informação pública. Assim, tínhamos relativamente poucos competidores no mercado, mas quando migramos para o mundo digital, ninguém poderia controlar toda a tecnologia associada, como nós tínhamos no mundo do papel fotográfico. Isso porque nós controlávamos os insumos químicos, nós controlávamos os equipamentos de revelação, as câmeras, os filmes, os papéis. Tudo aquilo era feito pela Kodak.

Onde aconteceu quando a transformação digital se consolidou?

Entramos no mundo digital onde havia muitos competidores, a barreira para entrar era muito baixa, e isto era… eletrônico. Havia Sony, Canon, essas empresas… eram o que eles faziam. E a Kodak teve que avançar na velocidade de um elétron.

Você vê empresas que serão as próximas Kodaks?

Eu acho que toda companhia precisa estar muito preocupada com as mudanças tecnológicas que já estão ocorrendo. E que estão acontecendo muito mais rapidamente agora! É claro, se comparadas com as que derrubaram a Kodak. Mas com o mesmo efeito. Eu acho que toda companhia que se baseia em uma determinada tecnologia, que está oferecendo produtos e serviços, servindo clientes utilizando alguma tecnologia tradicional, precisa estar muito atenta com as mudanças que estão ocupando espaços. Eu não posso nomear nenhuma empresa em particular porque cada situação é diferente. O que aconteceu com a Kodak, eu chamaria de uma descontinuidade tecnológica massiva, que ocorreu em um período de provavelmente cerca de 15 anos, mais ou menos. Eu acredito que a maioria das mudanças que ocorrerão nos próximos anos serão ainda muito mais rápidas. Assim, eu acho que é inevitável ver outras companhias se tornarem obsoletas.

O que uma companhia precisa considerar para ter sucesso na sua transformação e desenvolver um novo modelo de negócio?

Eu diria paciência, OK? E uma clara compreensão de que desenvolver um novo negócio de grande porte demanda algum tempo. A Kodak, em muitas situações, era impaciente com seus novos negócios. Agora, muitas das iniciativas em que a Kodak esteve envolvida são negócios muito prósperos, mas de outras empresas. E eles estão indo muito bem! Desta forma, havia muito potencial naquelas iniciativas! Mas se comparássemos com a lucratividade que tínhamos com o filme e papel fotográfico, nunca se demonstravam muito atraentes.  Assim, os gerentes ou departamentos sempre compararam o que fazíamos com o que ganhávamos com o filme.

Filme contra o digital na Kodak. Que conselho você daria para garantir a sustentabilidade de longo prazo nas empresas?

Bem, é necessário estar atento com as disrupções potenciais! Então tentar se reinventar ativamente ou destruir seu próprio negócio neste sentido, OK?  Ter uma ideia não é o suficiente. É preciso ter um caminho claro que permita que os inovadores sigam em frente, implemente estas coisas e utilizem o que acharem que é necessário.  O poder que as empresas têm em termos de mercado ou qualquer outra coisa permite que elas possam tentar isto de verdade. O maior problema para a maioria das corporações é liberar-se. Libere-se para novas ideias, assim elas podem crescer. A Kodak teve problemas com isso. Posso compartilhar várias estórias assim, mas você precisa liberar as ideias, desafiá-las e então implementá-las. Nós tínhamos um processo faseado para a comercialização, onde você deveria ir do estágio da prototipação, mockups, até se tornar um produto real. Aí seria criado um modelo de negócio e neste momento você iria para o mercado tentar vender ou implementar o serviço. Você precisa permitir que façam isso! E às vezes, quando estiver indo para o mercado, isso entrará em conflito com um canal existente ou um mercado já atendido. Você precisa que a alta gestão faça a arbitragem entre as duas situações, equilibrando a lucratividade presente com o crescimento futuro. Este é o trabalho da direção da empresa. Às vezes é difícil, especialmente para as companhias de capital aberto, que precisa reportar dividendos. Isso sempre se torna um desafio real! Isso será eterno…  Mas você deve fazer isso porque precisa dizer para si mesmo, em cinco anos, eu precisarei destas novas pessoas.  E não é tolerá-los… É porque vai precisar mesmo!

Como alocar recursos? É muito difícil criar um orçamento para ideias disruptivas que parecem extravagantes, quando você já tem algo lucrativo em seu modelo de negócio atual.

Se tiver novas ideias, isso precisa ser uma aposta da área de pesquisa e desenvolvimento. Mas você precisa deixá-los ir para o mercado e começar a vender. Não apenas pela empresa, mas pelas pessoas envolvidas. Inovadores não sobrevivem se não forem para o mercado e virem seus produtos, mesmo que não decolem. Eu vi muitas pessoas brilhantes ficarem meio cansadas e irem embora porque eles não foram ouvidos. Você precisa dar a chance deles irem para o mercado. E a alta direção precisa apoiá-los. Mesmo que fracasse, você aprende algo. E o seu público precisa ver que você está sendo inovador, tentando oferecer o melhor futuro possível para eles. E se isso significa mudar algo, eles precisam saber que a sua empresa está preparada para a mudança. Assim, eles continuarão com você.

Às vezes, parece que a alta direção tem medo de comunicar seus receios com seu time. Como eles deveriam fazer isso?

No caso da Kodak… a alta direção… eu conhecia os vários CEOs e eles sabiam disso. Eram pessoas muito espertas. É mais difícil no meio da empresa, na média gerência, com o gerente médio. Boa parte do nosso pessoal na nossa empresa tinha uma vida inteira na Kodak. Pessoas, certo, que estavam lá por 35, 40 anos. Eles tinham uma organização estável. Talvez eles tivessem criado aquilo para eles mesmos. Assim, estavam relutantes em mudar. É muito difícil para a alta direção mudar, de fato. Eu acho que isso foi um dos maiores problemas que enfrentaram. Alguns deles disseram isso para mim. Desta forma, eu acredito que isso é o verdadeiro desafio.

Se a média gerência fica com medo, a alta gestão provavelmente está com medo. Mas é a média gerência…  Diante da preocupação, às vezes, é tomada alguma ação drástica por parte da alta direção para mudar as coisas. Se isto vai mudar a organização, mudar a forma de remuneração, formas de se fazer as coisas, talvez mudar a forma como você promove as pessoas… mas algo vai direto para o coração das pessoas da média gerência. Mas isso precisa ser feito, isso precisa ter um impacto. Você não será mais avaliado da forma antiga.

Você será avaliado, lembre-se do que é usado pela 3M ou GE, nós seremos avaliados não sobre quão lucrativo estamos sendo, mas sobre quanto dinheiro estamos fazendo com produtos que foram lançados nos últimos três anos ou algo parecido.

Steve Sasson sempre foi muito respeitoso com a empresa que o empregou durante toda a sua vida profissional e sempre explica o contexto em que as decisões foram tomadas. Naquele momento, as decisões da empresa, do ponto de vista racional, foram as corretas para aquele tipo de jogo, do qual a Kodak foi a mais vitoriosa. Mas o jogo mudou e a Kodak não conseguiu se transformar a tempo. É justamente por isso que os aprendizados de Sasson são tão precisos e preciosos neste momento em que tantas organizações veem seus jogos serem drasticamente alterados.

Considerando a instituição, como um todo, mesmo que haja muitos aprendizados em seus 130 anos de história, a Kodak não foi o maior legado de George Eastman. Ele apoiou e investiu algo que hoje seria equivalente a US$ 500 milhões na criação e desenvolvimento de um instituto de tecnologia do estado de Massachusetts, mais conhecido como MIT.

Marcelo Nakagawa é Professor de Inovação e Empreendedorismo do Insper.