Blog


Blog do Empreendedor
O cotidiano de empreendedores como você
Twitter Facebook Orkut
Aumentar texto Diminuir texto

O empreendedor solitário, o inovador, a startup e sua equipe

22 de maio de 2018

Existe certa visão romântica e uma boa dose de mitologia acerca da figura do empreendedor, aquele sujeito arrojado e algo misterioso, corajoso e até genial, que ergueu sua startup totalmente sozinho, com muito esforço e trilhando um caminho solitário.

Certo? Não, nada de mais errado!

Nenhuma startup é criada por uma pessoa só, por mais genial que ela seja. Uma empresa de uma pessoa só não saberia adquirir velocidade e, desde logo, não teria agilidade para se estruturar e para desbravar seu próprio mercado.

Por outro lado, não devemos esquecer a centelha que move muitos empreendedores e, tampouco, desmerecer sua contribuição para o processo de inovação e criação!

Entretanto, vale observar que um empreendedor não precisa inovar, necessariamente; bem como, por sua vez, um inovador não precisa ser aquele que empreende. Inúmeros empreendedores, de diferentes tamanhos e setores, não fizeram nada mais do que empreender implementando modelos, produtos e serviços criados por outros, que já foram inovadores. O que eles fizeram – e é preciso garra, inteligência e velocidade para fazer isso – foi seguir quem inovou e dividir com ele fatias do mercado que, anteriormente, tinha sido dele por inteiro (escreverei sobre a sina do inovador e a visão de Schumpeter em um próximo texto).

Por sua vez, o inovador pode associar-se com um empreendedor ou, simplesmente, revender-lhe o fruto da sua inovação, para que ele transforme a ideia em algo que se torne palatável para o mercado.

Agora, voltando à nossa dúvida inicial, o empreendedor que queira transformar uma ideia inovadora em uma startup precisará permear a empresa de processos de gestão, tais que lhe permitam adquirir velocidade na execução e agilidade na abordagem do mercado. A gestão é o mal necessário do empreendedor, que lhe permite, por um lado, conter seus excessos de criatividade e transformar seu entusiasmo em um negócio sustentável; e, por outro, definir claramente quais são as áreas que gerem a companhia e as pessoas que as compõem.

Ficou claro, agora, que nenhum empreendedor faz uma empresa sozinho, mas, ao contrário, a cria cercando-se da melhor equipe.

Agora vem a difícil tarefa. Como escolher os membros da equipe de uma startup? Quais caraterísticas essas pessoas deverão ter

A lista de exigências poderia ser infindável, mas acredito que, no caso específico de uma startup, um bom começo pode ser observar os pontos a seguir:

1. Em primeiro lugar, é fundamental que a equipe esteja alinhada com os propósitos do empreendedor. Apesar de ser desejável um nível adequado de heterogeneidade na composição da equipe no que diz respeito às competências pessoais e de gestão, no momento do lançamento da start up é necessário que o barco zarpe com a tripulação bem consciente de quem é o capitão e de quais são a rota e as diretrizes de viagem.
2. O mesmo conceito vale no que diz respeito aos valores e à missão da companhia, que devem ser definidos antes mesmos do seu lançamento, não sendo negociáveis. Quem não concordar com o “credo” da empresa, não deverá fazer parte da equipe.
3. Neste momento da start up, é desejável procurar não somente bons colaboradores, mas pessoas que se “apaixonem” de fato pela sua proposta e se tornem seus evangelizadores. Uma equipe apaixonada pelo projeto será muito mais resiliente nas primeiras dificuldades e terá mais garra para superá-las.
4. É essencial que os membros da equipe sejam dotados do conjunto de competências e habilidades (skills) necessárias à implementação do projeto e à adequada gestão da empresa. Alguns skills podem ser adquiridos em um segundo momento, mas é importante escolher, como membros da equipe, colaboradores que tenham capacidade e disposição de adquiri-los depois.
5. É desejável que os colaboradores escolhidos mantenham um mix de competências complementares entre si, viabilizando a formação de uma equipe multidisciplinar, essencial para o crescimento do negócio e a gestão da companhia.
6. Last but not least, é aconselhável montar, no limite do possível, uma equipe fácil de se conviver e que saiba agregar e compartilhar. Garanto que estruturar a equipe dessa forma vai ser muito melhor para os negócios e para o dia-a-dia da companhia!

Luca Borroni-Biancastelli é PhD em Economia e Teorias Econômicas, co-fundador e Dean da Brain Business School, conselheiro emérito da UNICON-Consortium for University-based Executive Education, conselheiro, professor universitário e empreendedor.