Blog


Blog do Empreendedor
O cotidiano de empreendedores como você
Twitter Facebook Orkut
Aumentar texto Diminuir texto

A força dos livros na era digital

7 de maio de 2018

Vai ser realizado no dia 9 de maio, na FECOMERCIO SP, um seminário celebrando os 40 anos da Associação Nacional de Livrarias, com o tema “A Sociedade do Conhecimento e o Livro como Ferramenta”. Serão abordados assuntos muito importantes sobre o mercado de livros no Brasil e no mundo, com debates sobre as tendências futuras e os números de vendas.

Temos que lembrar que o livro foi, provavelmente, o primeiro grande afetado pelo advento da internet. Hoje, praticamente qualquer livro é acessível online. É curioso lembrar que Gutemberg revolucionou o mundo em 1439 ao produzir os primeiros livros numa impressora, permitindo livros mais baratos e iniciando uma era de difusão popular do conhecimento humano. Assim também aconteceu em 1969 – data oficial do início da internet – quando se iniciou a revolução que hoje permite que toda pessoa com celular tenha acesso a praticamente qualquer conteúdo na palma da mão.

Mesmo assim o livro – e as livrarias – continuam resistindo firmes e fortes ao avanço da internet, e inclusive tem tido aumento de vendas. Mais de 90% das vendas de livros no Brasil ainda acontecem em livrarias e lojas físicas. Redes de Livrarias com a Livraria da Vila, com 10 lojas, não tem e-commerce. E a rede Leitura (de Minas Gerais) com cerca de 60 lojas, fechou sua loja online. Pelo visto, quando se refere a livros, muitas pessoas ainda preferem o contato com o papel, o caminhar pelos corredores e prateleiras com livros.

Em 2018 está mostrando um aumento no número de livros vendidos no Brasil de quase 10% sobre 2017. Já o valor arrecadado nestas vendas foi 6% menor. Os livros didáticos são os maiores vendedores, com 20%. Depois vem a ficção com 13%, seguidos pela literatura estrangeira com 12%. Os livros de direito são 9% do mercado e os dicionários tem 7% seguidos pela medicina com 6%. As maiores quedas de vendas foram dos livros direcionados para concursos públicos, que perderam 24%, seguidos por arte e comunicação com -0% e direito com -9%.

Achei pessoalmente interessante saber que as histórias em quadrinhos – também chamados de comics – e jogos tiveram um crescimento no último ano de 42% e hoje representam 3% da venda total – e eu entendo perfeitamente, pois eu continuo comprando e colecionando, reforçando a cada ano minha biblioteca de HQ.

Mais informações e inscrições:
www.anl.org.br

Ivan Primo Bornes (ivan@pastificioprimo.com.br) – empreendedor e fundador da rede de rotisserias Pastificio Primo (www.pastificioprimo.com.br)